Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Juros a 10 anos em mínimos de 31 meses

Os juros das Obrigações do Tesouro no prazo de referência já desceram esta terça-feira no mercado secundário abaixo de 1,9%, caindo para 1,887%, um mínimo desde 15 de abril de 2015

Jorge Nascimento Rodrigues

Os juros (yields) das Obrigações do Tesouro (OT) a 10 anos caíram para 1,887% durante o início da sessão desta terça-feira no mercado secundário da dívida soberana da zona euro. Este nível abaixo de 1,9% fixa um mínimo de 31 meses, desde 15 de abril de 2015, quando os juros fecharam em 1,727%.

A tendência de descida dos juros da dívida pública portuguesa desde final de março de 2017 tem prosseguido em novembro, com a fixação de valores abaixo de 2% no mercado secundário para os juros no prazo de referência, tal como na emissão de nova dívida através de leilões.

O último leilão organizado pelo Tesouro, a 8 de novembro, fixou um mínimo histórico na taxa de colocação a 10 anos, que ficou abaixo de 2%.

Contexto favorável à baixa

A tendência de baixa em toda a zona euro reforçou-se com a decisão de prolongamento do programa de compra de dívida pública no mercado secundário pelo Banco Central Europeu (BCE) até final de setembro de 2018 e a garantia de reinvestimento do capital que o banco receber nas amortizações dos títulos que forem vencendo.

O fracasso da coligação com os Liberais do FDP na Alemanha e a probabilidade de um novo entendimento entre os dois maiores partidos germânicos afastou a possibilidade de um ministro das Finanças contrário à estratégia do BCE e defensor da extinção do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE). O que foi bem recebido no mercado da dívida.

A proposta da Comissão Europeia para um sucedâneo do MEE ao estilo do Fundo Monetário Internacional, um organismo eventualmente designado por Fundo Europeu de Estabilização, para dar garantias de gestão de crises na zona euro, também favorece a tendência em curso.

Fitch avalia rating a 15 dezembro

O conselho do BCE discutirá política monetária, pela última vez no ano, a 14 de dezembro, reafirmando, certamente, a estratégia aprovada em final de outubro. A Fitch analisa a situação do rating da dívida portuguesa (ainda em nível de 'lixo financeiro' para esta agência) no dia seguinte. Muitos analistas esperam que a agência siga as pisadas da Standard & Poor's em setembro e passe a notação portuguesa para nível de investimento. O que reforçará a tendência de baixa.