Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Região Centro prevê crescimento turístico em 2018 apesar dos incêndios

No próximo ano é esperado um aumento de dois dígitos, também com o turismo religioso em alta, alavancado pela vinda do Papa a Fátima

Conceição Antunes

Conceição Antunes

em Macau*

Jornalista

A região Centro de Portugal está a reforçar o trabalho junto de operadores turísticos internacionais e prevê em 2018 continuar em crescimento. "Vai ser mais um ano de crescimento consolidado para a região, e continuando com um aumento de dois dígitos", adiantou Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal, à margem do congresso da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), que decorre em Macau até 25 de novembro.

"O Centro foi a região do país que em setembro mais cresceu em dormidas, com um aumento de 16%, três vezes mais que a média nacional", enfatizou Pedro Machado, referindo que o aumento foi empurrado sobretudo pelos mercados externos, cujo crescimento foi de 28%.

Lembrando que a região Centro é um território muito diverso, e que este ano foi em grande parte atingido por violentos fogos florestais, Pedro Machado adiantou que a prioridade para 2018 passa por ultrapassar a "imagem de território massacrado pela tragédia dos incêndios por que passou, e mudar esta perceção para a de um destino que se está a reerguer e continua com uma oferta em perfeitas condições para os turistas".

Pedro Machado avançou que o Turismo do Centro está a fazer um trabalho com as autarquias dos 59 municípios afetados pelos incêndios no sentido de "criar novas motivações nestes destinos" e que a região vai fazer uma campanha apelando aos portugueses para passar o Natal ou a passagem do ano no centro de Portugal.

"Estamos ainda a trabalhar para que a grande distribuição passe a ter cabazes com produtos do Centro de Portugal, como mel, nozes, castanhas, vinho ou por exemplo também ovos moles de Aveiro". O Centro de Portugal é o destino convidado em 2018 da Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), que decorre de 28 de fevereiro a 4 de março.

Turistas da Coreia do Sul a disparar em Fátima

Fátima representa um foco importante no crescimento turístico esperado em 2018 no Centro de Portugal, alavancado com a vinda do Papa este ano a Fátima. "A tendência é de grande crescimento no turismo religioso, sobretudo dos mercados asiáticos, como Coreia do Sul ou Vietname", refere Pedro Machado, adiantando que os sul coreanos geraram no ano passado 40 mil dormidas em Fátima, e que este mercado evidência uma tendência de crescimento de 20% nos próximos anos.

O presidente do Turismo do Centro enfatizou ainda o reforço que está a ser feito junto dos operadores turísticos especializados em turismo religioso, além dos grandes eventos programados em Fátima em 2018, com destaque para a Cimeira Mundial da Saúde que vai decorrer em abril ou o Encontro de Casais Católicos com 9 mil participantes.

"A visita do Papa a um santuário normalmente gera a um destino um adicionei de um milhão de visitantes, e acredito que Fatima possa fechar este ano com 7 milhões", referiu ainda o presidente do Turismo Centro de Portugal.

*o Expresso viajou a convite da APAVT