Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

CMVM fecha delegação do Porto

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) justificou encerramento por já não haver “razões” para a sua existência

“Deixámos de ter razões para ter uma delegação no Porto”, disse à agência Lusa fonte oficial da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). O regulador do mercado chegou a acordo de rescisão com três dos quatro funcionários que estavam na delegação e fechou as portas na segunda cidade do país.

A mesma fonte recordou que, no Porto, “existia uma bolsa de valores e vários emitentes e intermediários financeiros que ali tinham sede, como bancos e fundos de investimento”, o que deixou de acontecer, estando tudo centrado na sede, em Lisboa.

Acresce a “evolução tecnológica”, que tornou mais fácil aceder à instituição, apontou.

“Como é preciso fazer uma gestão eficiente de recursos, não se justificava que aquela delegação continuasse aberta, porque já não existe lá praticamente atividade nem entidades”, reforçou a mesma fonte.

Questionada pela Lusa sobre a situação dos quatro funcionários daquela delegação, fonte oficial explicou que “foi oferecida aos trabalhadores da CMVM que desempenhavam funções no Porto a possibilidade de passarem a exercer funções na sede, em Lisboa, suportando a CMVM os encargos dessa deslocação, decorrentes da alteração do local de trabalho, nos termos previstos da lei”.

Contudo, três não aceitaram estas condições e “deixaram de colaborar com a CMVM, recebendo a remuneração a que tinham direito”.

O outro trabalhador aceitou as condições e mantém-se veiculado ao organismo, acrescentou a fonte, assegurando que a situação foi resolvida de forma “completamente pacífica”.

A notícia foi hoje avançada pelo jornal Público, que indicou que o encerramento da delegação da CMVM no Porto ocorreu no final de outubro.

A fonte oficial indicou à Lusa que esta medida não se enquadra numa reestruturação mais abrangente do organismo.