Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

NOS lucra mais de €100 milhões e sobe em bolsa

José Carlos Carvalho

Empresa liderada por Miguel Almeida fechou os primeiros nove meses com lucros de 105,5 milhões de euros

A NOS anunciou esta quarta-feira lucros de mais de 100 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano e segue, na sessão desta manhã da Bolsa de Lisboa, a ganhar mais de 6,63%%, nos 5,325 euros

A empresa liderada por Miguel Almeida lucrou 105,5 milhões de euros no período em análise, mais 34,5% do que no ano passado.

A sua subida em Bolsa puxou pela praça lisboeta, que iniciou a sessão com 11 das suas cotadas em alta e, quase uma hora depois, o PSI20 ganhava 0,91%.

No último trimestre de 2017, os lucros da NOS atingiram 33,6 milhões de euros. Em comunicado enviado à CMVM, a empresa destaca a "melhoria significativa da Participação nos Resultados de Empresas Associadas e Joint-Ventures, para seis milhões de euros no terceiro trimestre". "Este aumento deve-se sobretudo à melhoria da contribuição financeira da Sport TV resultante da revisão do seu modelo de distribuição (...), e à melhoria do desempenho da ZAP", refere.

As receitas em nove meses cresceram 3,4%, para 1.162,5 milhões de euros, Nas telecomunicações, que contribuem com 1.105,8 milhões, a subida foi de 3,3%.

O número de serviços atingiu os 9,366 milhões, o que representa um crescimento de 4,7%, e 4,6 milhões são subscritores móveis. Já o número de serviços vendidos em pacote totalizou os 3,6 milhões e 718 mil clientes, com uma subida de 8,7% no terceiro trimestre. A percentagem de clientes de acesso fixo com pacotes passou para 47,3%.

Os custos operacionais cresceram 2,7% O EBITDA atingiu os 451,6 milhões de euros, mais 4,6% que há um ano.

"A NOS continuou a crescer a sua base de clientes e a incrementar o número de serviços prestados", diz a empresa em comunicado." O tráfego fixo e móvel continua a crescer exponencialmente, para a NOS e para o mercado em geral. Até final de setembro, o tráfego fixo e móvel aumentou em 28% e 32% no caso da NOS", acrescenta.

Já na divisão de cinema e audiovisuais, O o terceiro trimestre foi menos forte para a divisão de Audiovisuais e Cinemas. "As vendas de bilhetes de cinema da NOS registaram um decréscimo anual de 5,8% para 2,509 milhões de bilhetes no 3T17, um desempenho negativo, em linha com o do mercado como um todo, que decresceu 4,9%1, devido ao menor número de êxitos de bilheteira durante o segundo semestre. A receita média por bilhete manteve-se estável face ao período homólogo, ascendendo a 4,7 euros no 3T17", refere o comunicado.