Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

PSD acusa Centeno de ser “recordista dos impostos”

António Leitão Amaro, deputado do PSD

Luí­s Barra

Deputado social-democrata Leitão Amaro diz que este é um ”Orçamento do presente sem futuro” e sugere mesmo ao ministro das Finanças que peça desculpa aos portugueses pelos impostos que lhes cobra

João Silvestre

João Silvestre

Editor de Economia

O PSD, através do deputado António Leitão Amaro, acusa o Governo de ser "“recordista dos impostos em Portugal” por causa da subida da carga fiscal em 2017, de 25,1% para 25,2% do PIB. E sugere mesmo a Mário Centeno que "peça desculpa" aos portugueses, que "nunca pagaram tantos impostos".

Leitão Amaro, que falava esta manhã na Assembleia da República durante a apresentação pelo Governo do Orçamento do Estado para 2018, chamou ainda a atenção para o agravamento do IRS para recibos verdes, para a subida de "taxas e taxinhas" e para o facto de, em três anos, este Governo ter tido dois anos de desaceleração da economia. "É o Orçamento do presente sem futuro", rematou o deputado do PSD.

Na resposta, Centeno insistiu que o aumento do peso dos impostos no PIB – a carga fiscal – não resulta de alterações de taxas mas da própria economia. E insistiu, na comparação com 2014, que o peso do IRS teve uma descida significativa.

Também João Galamba, da bancada socialista, argumentou no mesmo sentido, insistindo no facto de as contribuições sociais ganharem peso no PIB apenas por o emprego crescer a uma taxa superior à da economia.