Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Exportações voltam a acelerar e crescem mais do que as importações

Tiago Miranda

Depois de dois meses de abrandamento, as exportações portuguesas voltaram a mostrar maior dinamismo em agosto, aumentando 14,3% face a agosto do ano passado

As vendas de bens ao exterior cresceram 14,3% em agosto face ao mesmo mês do ano passado, mostrando maior dinamismo em relação às subidas registadas nos dois meses anteriores: 6,7% em junho e 4,6% em julho. Desde maio que não se registava um crescimento tão grande, quando a taxa de crescimento das exportações atingiu os 16,2%. Estes são dados publicados esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Face ao mês anterior, as exportações aumentaram 4,6%.

O crescimento das exportações ultrapassou o das importações, que subiram 12,8% em agosto, em termos homólogos (e mais 13% em relação a julho). Desde março que o crescimento das exportações não era superior ao das importações.

Segundo o INE, o bom comportamento das exportações ficou a dever-se ao crescimento das vendas para os mercados da União Europeia (mais 10,7% do que em período homólogo), mas sobretudo ao comércio com os mercados extracomunitários: para essas geografias, as vendas subiram 23,3% face ao mês de agosto de 2016. Já para o crescimento das importações contribuíram essencialmente as compras aos mercados União Europeia (que cresceram 12,7% relativamente a agosto de 2016).

Assim, segundo o INE, o défice da balança comercial portuguesa atingiu 1316 milhões de euros, refletindo um aumento de 105 milhões face a igual mês de 2016.

Para este aumento das exportações, contribuíram todas as categorias económicas. Mas o INE salienta o maior contributo para as categorias de material de transporte (39,1% face a agosto de 2016), combustíveis e lubrificantes (38,0%) e fornecimentos industriais (10,1%).

Já nas importações, o maior aumento ocorreu no material de transporte, que cresceu 30,6%.

Se não se contabilizar o sector dos combustíveis, que tem preços mais voláteis, as exportações subiram 12,4% e as importações 14,7%, em termos homólogos.

Notícia em desenvolvimento