Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

CaixaBank vai reunir Conselho de Administração para mudar sede

O Banco Sabadell acordou hoje alterar a sua sede social de Barcelona para Alicante perante a possibilidade de nos próximos dias o Parlamento da Catalunha fazer uma declaração unilateral de independência

O CaixaBank, que controla o banco português BPI, prevê agendar para sexta-feira um Conselho de Administração extraordinário para aprovar a mudança da sua sede para fora da Catalunha, confirmaram hoje à Efe fontes financeiras.

Esta mudança será possível graças a uma alteração legislativa que está a ser preparada pelo Governo e que permitirá à instituição financeira avançar com a medida sem submeter a decisão à aprovação da assembleia de acionistas.

O Banco Sabadell acordou hoje alterar a sua sede social de Barcelona para Alicante perante a possibilidade de nos próximos dias o Parlamento da Catalunha fazer uma declaração unilateral de independência.

O Sabadell, quinto maior banco espanhol e o segundo da Catalunha vai assim poder continuar protegido pelas regras exigentes de supervisão do BCE (Banco Central Europeu) e a operar com toda a normalidade dentro do sistema bancário europeu.

A deslocalização para aquela cidade junto ao Mediterrâneo, na Comunidade Valenciana (sul da Catalunha), também implica que a entidade bancária passará a pagar impostos no local onde tem a sua sede social.

Uma alteração da sede social de uma empresa é uma operação jurídica que se pode realizar no espaço de poucas horas em Espanha.
Em maio passado, o Sabadell revelou que até ao fim do corrente ano iria voltar a ter uma sucursal em Lisboa depois de ter vendido a participação que tinha no português BCP.

O governo regional da Catalunha (Generalitat) anunciou na madrugada de segunda-feira que 90% dos catalães votaram a favor da independência no referendo de domingo, tendo exercido o direito de voto 42 por cento dos 5,3 milhões de eleitores.
A consulta popular foi convocada pela Generalitat, dominada pelos separatistas, tendo o Estado espanhol, nomeadamente o Tribunal Constitucional, declarado que a consulta era ilegal.

O presidente do executivo catalão tinha previsto realizar uma intervenção no parlamento regional em que poderia declarar a independência da região, mas o Tribunal Constitucional espanhol proibiu essa apresentação, como medida cautelar, sendo ainda é incerto o que vai acontecer.