Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

App portuguesa entre as melhores do mundo

A equipa da Framie que disputou a final da University Startup World Cup

d.r.

A portuguesa Framie disputou a final da competição mundial de startups universitárias Venture Cup

Catia Mateus

Catia Mateus

Jornalista

Identificar os milionários do futuro e projetos com génese universitária capazes de revolucionar a vida das pessoas é o objetivo da competição mundial universitária University Startup World Cup, promovida pela Venture CUP e que reuniu na passada semana, na Dinamarca, 70 projetos oriundos de 40 países. Entre eles, três portugueses: a Compact Energy Kits, RI-TE Radiation Imaging Technologies e Framie, da Universidade do Minho, Universidade de Aveiro e Universidade do Porto, respetivamente. A portuense Framie disputou a final, posicionando-se entre as melhores startups académicas mundiais na competição. O projeto, que promete revolucionar a vida dos colecionadores, captou o interesse de potenciais parceiros e investidores e espera agora traduzir em crescimento a presença na competição.

António Lisboa é um dos mentores da Framie, a startup que tem como público-alvo colecionadores e que nasceu no âmbito do mestrado em Inovação e Empreendedorismo Tecnológico das faculdades de Engenharia e Economia da Universidade do Porto. E desenganem-se os que defendem que o colecionismo é coisa do passado. O projeto que assina em coautoria com Filipe Lima, Mónica Leiras, Cristiano Silva e Tiago Monteiro deixa claro que “todos colecionamos alguma coisa, nem que sejam fotos”, explica. E é daí que parte esta startup.

A Framie materializa-se através de uma aplicação (app)que cria uma rede de coleções fotográficas temáticas que os utilizadores podem completar com os seus próprios registos. A solução serve não apenas os colecionadores, como também as marcas em geral, inaugurando um conceito de publicidade participativa onde os utilizadores da plataforma são desafiados a interagir com as marcas, partilhando as suas próprias imagens com os produtos. Desta forma, reforça António Lisboa, “as marcas podem criar coleções e promover a sua oferta de forma mais dinâmica, envolvente e segmentada, estimulando a ação com o cliente”.

De olhos no investimento

O conceito captou o interesse dos investidores e de potenciais parceiros na competição internacional, como já tinha acontecido na final nacional da Venture CUP que decorreu em junho, na Casa da Música, no Porto, onde a empresa se sagrou vencedora. “Uma das grandes oportunidades que esta competição gerou foi o contacto com potenciais investidores e parceiros. Permitiu-nos testar o conceito e perceber que estamos a caminhar no sentido certo”, explica o cofundador acrescentando que a Lego foi uma das empresas que registou bastante interesse na Framie. A equipa espera agora poder continuar a aprofundar esse contacto.

A startup integrou a edição inaugural do Startup Porto Accelerator, o programa de aceleração desenhado pela Associação Nacional de Jovens Empresários em parceria com o INESC TEC, e tem vindo a somar distinções a nível nacional. Ganhou o Startup Voucher, a competição nacional promovida no âmbito da StartUp Portugal e foi uma das dez melhores startups no Startup Porto Accelerator que lhe atribuiu um prémio monetário, canalizado para o desenvolvimento da app.

A Startup World Cup é dinamizada pela Venture Cup, uma organização dinamarquesa sem fins lucrativos que promove competições de startups universitárias em todo o mundo, com o objetivo de criar uma plataforma de inspiração, desenvolvimento, matching e partilha de ideias de negócios sustentáveis. O vencedor acede a um prémio final de €25 mil e um programa de mentoria em Silicon Valley. A edição deste ano distinguiu o projeto RAB-Microfluids da Universidade de Aberdeen (Escócia).