Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Inflação na zona euro não descola, continua em 1,5%

A primeira previsão do Eurostat para setembro revela que a inflação na zona euro se mantém em 1,5%. A inflação subjacente deverá ter descido para 1,1%

Jorge Nascimento Rodrigues

A inflação na zona euro em setembro deverá ter sido de 1,5%, o mesmo ritmo que no mês anterior, segundo a primeira previsão do Eurostat, o organismo de estatísticas da União Europeia, publicada esta sexta-feira.

A inflação não descolou em setembro como algumas previsões esperavam, apontando para uma ligeira aceleração para 1,6%. O impacto das variações dos preços da energia foi inferior em setembro - desceu de 4% para 3,9%.

A previsão rápida para a inflação subjacente - excluindo as variações de preços nas componentes mais voláteis, da alimentação, energia, tabaco e álcool - aponta inclusive para uma desaceleração ligeira em setembro, caindo de 1,2% para 1,1%.

As previsões para a inflação em setembro nas quatro principais economias da zona euro foram entretanto divulgadas. A inflação desacelerou em Espanha e Itália, manteve-se estável na Alemanha, e subiu ligeiramente em França. Os dados divulgados ontem e hoje pelos organismos de estatísticas respetivos apontam para uma subida de 1% para 1,1% em França, uma manutenção em 1,8% no caso da Alemanha, e uma descida de 2% para 1,9% em Espanha e de 1,4% para 1,3% em Itália.

Os dados divulgados, aqui referidos, dizem respeito à inflação homóloga, ou seja, a variação em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Recorde-se que a inflação na zona euro registou, desde início do ano, um máximo de 2% em fevereiro e um mínimo de 1,3% em junho e julho.