Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

OPA dá controlo de 98,26% do Montepio à Mutualista

A associação mutualista Montepio passou a controlar 98,28% do fundo que detém o banco na sequência da Oferta Pública de Aquisição (OPA) concluída esta segunda-feira. Está dado um passo fundamental para que se abra o capital do banco a entidades e parceiros da economia social

A Montepio Geral Associação Mutualista (MGAM) passou a controlar 98,28% do Fundo de Participação da Caixa Económica Montepio Geral (CEMG) após a Oferta Pública de Aquisição (OPA) voluntária que lançou no início de julho e foi concluída esta segunda-feira com sucesso. O Montepio vai sair do PSI-20 e deixar de estar cotado na Euronext Lisboa.

Os resultados da OPA foram divulgados em sessão especial de mercado regulamentado na Euronext Lisboa, numa sessão que contou com a presença do presidente da associação mutualista, António Tomás Correia, e do presidente do banco, José Félix Morgado. "Estão criadas todas as condições para concretizar a nossa missão, que é a de abrir o capital social da CEMG a entidades e parceiros da economia social", diz Tomás Correia em comunicado. A Santa Casa da Misericórdia, presidida por Pedro Santa Lopes, é o potencial parceiro, já que tem havido negociações nesse sentido.

A MGAM adquiriu 44.209.580 unidades de participação através do Serviço de Centralização de Bolsa, correspondentes a 11,05% do Fundo de Participação, mais 7.168.774 unidades de participação em mercado (1,79%), tendo gasto, com o valor de referência de um euro por unidade de participação, mais de 50 milhões de euros nesta operação.

Uma vez que a associação já controlava 85,43% do Fundo de Participação da CEMG, com os 12,84% adquiridos durante o período da OPA passou a deter 98,28% deste instrumento. A posição da Mutualista vai ainda dar um pequeno salto. Com a conversão em sociedade anónima, prevista para quinta-feira, a Mutualista passará a controlar 99,7%.

Apenas 1,72% do fundo não foi adquirido nesta oferta, ou seja, 6.897.008 unidades de participação.

Certo é que, após a OPA, a CEMG não se mantém no PSI-20 e a sua exclusão produz efeitos já no dia 12 de setembro (terça-feira), conforme determinou a gestora da bolsa portuguesa.

Mais, a negociação das unidades de participação vai ser suspensa também já na terça-feira.

De resto, "no pressuposto que o registo comercial da transformação [da CEMG] em sociedade anónima é obtido em 14 de setembro, as unidades de participação serão excluídas em 15 de setembro", lê-se no documento libertado durante a sessão especial de bolsa.

Após a transformação do banco mutualista em sociedade anónima, a acionista (MGAM) poderá lançar uma OPA potestativa de forma a adquirir os títulos que não foram comprados no âmbito da OPA.