Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Quando os irmãos se juntam, multiplicam-se os hotéis

Ricardo Martins, CEO do grupo Turim, frisa que o crescimento rápido se deve a ter “dentro de casa todos os recursos para construir e explorar hotéis”

Foto Alberto Frias

O grupo Turim, dos irmãos Ricardo, Pedro e Rita Martins, está a dar o salto para 18 hotéis. Com quatro obras a decorrer em simultâneo para novos hotéis em Lisboa, Porto, Sintra e Funchal, o grupo dos irmãos Martins não vai ficar por aqui

É um verdadeiro salto de tigre que está a ter lugar nos hotéis Turim, que se preparam para duplicar a oferta de quartos em Lisboa nos próximos anos. Mas não é só em Lisboa que está o foco de crescimento do grupo Turim, que tem atualmente quatro novos hotéis em obra, totalizando investimentos de 70 milhões de euros, e que além da capital também se estendem a Sintra, Porto e Funchal.

“Todos estes projetos que estão a acontecer hoje já foram programados há algum tempo, e temos a sorte de se concretizarem na altura deste 'boom' turístico”, faz notar Ricardo Martins, CEO do grupo Turim.

Em Lisboa, onde a Turim tem 10 hotéis em funcionamento com 100 quartos cada, este 'boom' é particularmente expressivo. “Desde há três anos, o crescimento de turistas em Lisboa tem sido exponencial”, faz notar o hoteleiro, adiantando o “objetivo de alargar a oferta em Lisboa dos atuais 1000 para 1500 quartos com ampliações das unidades existentes”.

O raio de proximidade dos hotéis Turim em Lisboa, que se concentram no eixo dos Restauradores, Avenida da Liberdade, zona do Marquês de Pombal e Saldanha, tem sido um trunfo para o grupo.

A Turim conta com 10 hotéis em Lisboa e o seu raio de proximidade tem sido um trunfo

A Turim conta com 10 hotéis em Lisboa e o seu raio de proximidade tem sido um trunfo

“Eu costumo dizer que não temos 10 hotéis em Lisboa com 100 quartos cada, temos sim um hotel com 1000 quartos”, refere Ricardo Martins, enfatizando que “os hotéis são unidades autónomas, mas geram muita sinergia e a proximidade a que estão uns dos outros facilita a gestão e traz grandes economias de escala a nível de grupo”.

Crescimento com base nos “valores de família”

A verdadeira chave do crescimento acelerado dos hotéis Turim, segundo Ricardo Martins, assenta no facto da gestão ser assegurada por três irmãos, que trazem diferentes valências ao nível do grupo, e o que também facilita a tomada de decisões.

“Toda esta expansão que temos tido deve-se ao facto de termos recursos dentro de casa que nos permitem analisar, construir e explorar projetos, e daí sermos tão rápidos”, salienta o presidente da Turim. “O meu irmão, Pedro Martins, é arquiteto e acompanha todas as obras, e no nosso grupo temos modelos de obra muito formatados e testados. E é pela minha irmã, Rita Martins, que passam todos os processos de auditoria financeira do grupo”.

“Somos três irmãos a puxar por este grupo, de alma e coração. Quando pensamos num negócio ou em hotéis novos temos sempre como base os valores de família, e é isso que nos dá uma grande estabilidade, e também se repercute na relação que temos com os 120 colaboradores”

A reabilitação de edifícios tem sido um foco dos hotéis do grupo

A reabilitação de edifícios tem sido um foco dos hotéis do grupo

O grupo Turim começou em 1992 no Algarve, com a tónica nos aparthotéis e apostando nos apartamentos turísticos com serviços (tem três unidades no concelho de Portimão: o Turim Estrela do Vau, o Turim Algarve Mor e o Turim presidente Hotel). O salto do grupo começou em 2002 com a abertura do primeiro hotel em Lisboa, o Turim Lisboa Hotel, na zona do Saldanha.

“Estávamos habituados a uma operação sazonal no Algarve e entrámos numa operação de turismo permanente, de ano inteiro”, conta Ricardo Martins. “Com o entusiasmo e a dinâmica turística de Lisboa rapidamente passámos para uma estratégia de crescimento na cidade, onde já abrimos 10 hotéis”.

Em Lisboa, na Avenida da Liberdade, a Turim está a dar gás à obra do novo hotel que vai abrir em 2018 e que será o primeiro cinco estrelas do grupo - o Turim Boulevard Hotel.

Na Avenida da Liberdade, está a ser finalizado o Turim Boulevard Hotel para abrir em 2018

Na Avenida da Liberdade, está a ser finalizado o Turim Boulevard Hotel para abrir em 2018

A Turim já está de olho num 12º hotel em Lisboa, que vai ficar localizado na Avenida da República em frente ao Campo Pequeno. “É um prédio com uma fachada lindíssima, que vamos reabilitar, alterando o seu uso de habitação para hotelaria. A preocupação dos investimentos em novos hotéis tem sido a localização em zonas 'premium' da cidade”, avança o presidente do grupo, referindo que este hotel deverá ficar concluído em 2019 ou 2010.

O grupo prepara-se também para entrar no Porto, onde está a avançar com a obra do Turim Oporto Hotel na Avenida dos Aliados. “Não pretendemos ficar por aqui, o Porto é uma cidade que nos fascina e é um local onde queremos ter mais oferta”, refere Ricardo Martins. “Um segundo hotel no Porto, sim, é o nosso objetivo, e já estamos a ver mais oportunidades nesse sentido”.

Reabilitar edifícios para hotéis tem sido um foco do grupo Turim, que também assume os projetos de construção. O destaque aqui vai para obra que a Turim está a avançar na recuperação de um palácio em Sintra, a Casa da Gandarinha.

A localização em zonas 'premium' da cidade' é a “preocupação” da Turim ao analisar novos hotéis

A localização em zonas 'premium' da cidade' é a “preocupação” da Turim ao analisar novos hotéis

“Em Sintra, vamos aliar a fachada clássica do edifício a uma arquitetura moderna, através de duas alas de vidro que vão ficar muito bem envolvidas num contexto de arvoredo”, explica o CEO da Turim.

Com cinco estrelas, o Turim Sintra Palace Hotel vai abrir em 2018, contando com uma sala de congressos com capacidade para 600 pessoas. “A vila não tem espaços para eventos. Sintra é o exemplo de um destino turístico nómada, porque não há oferta suficiente de alojamento, e as pessoas que a visitam vão dormir a outros locais próximos. Temos a convicção que um hotel na vila de Sintra será um sucesso”, salienta.

Em 2018, a Turim vai também abrir um hotel no Funchal, que resulta da reabilitação do antigo hotel Santa Maria, que data de 1964 e esteve encerrado oito anos. “Para nós era importante ter uma presença na Madeira”, reconhece o hoteleiro, frisando que “a Madeira é o berço da excelência do serviço turístico em Portugal”.

Outros projetos do grupo também se estendem ao Algarve, “onde temos interesse em investir com outro tipo de produto, entrando na categoria dos hotéis com quartos, e já não nos apartamentos com serviços”, adianta Ricardo Martins.

A “revolução” que a Booking trouxe aos hotéis

A expansão da Turim está a ser incentivada pelo crescimento turístico que está a acelerar as vendas dos hotéis. “A nível de receitas estamos a crescer a dois dígitos, em linha com o aumento no turismo”, adianta o CEO do grupo, frisando que “este crescimento é mais uma recuperação do que não crescemos desde 2008, pois houve um período de crise acentuada e temos ainda muito a recuperar a nível de preço. No fundo, o mercado está a recuperar o que não aumentou nos últimos dez anos”.

Ricardo Martins chama também a atenção para o peso crescente de plataformas como a Booking nas vendas dos hotéis. “Hoje há uma revolução comercial a que os hotéis ainda se estão a adaptar”, sublinha. “O mercado 'online' cada vez tem uma força maior em 'market share', e é quase assustador ver o que já representa num hotel”.

O portefólio da Turim também integra um hotel numa quinta que o grupo recuperou em Azeitão (o Hotel Club d'Azeitão)

O portefólio da Turim também integra um hotel numa quinta que o grupo recuperou em Azeitão (o Hotel Club d'Azeitão)

Na perspetiva do hoteleiro, “não podemos prescindir da operação turística tradicional, mas com os operadores 'online' o mercado ganhou uma dinâmica maior, também a nível de preço”. E sustenta que esta predominância dos operadores 'online' tem sido “positiva para os hotéis no panorama atual, uma plataforma 'online' consegue levar-nos a mercados onde nunca chegaríamos, e além disso o preço médio também sobe”. Dá o exemplo da China, mercado cujas reservas têm estado a disparar nos hotéis Turim através das plataformas 'online'. “Estamos atentos ao mercado chinês há alguns anos, e estamos convencidos que vai aumentar em 'market share' até pelos voos diretos China-Portugal”.