Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Millennials optam por casas mais pequenas

Sociais por natureza, os millennials vivem muito fora de casa e gostam de morar no centro das cidades

Tiago Miranda

Tanto no arrendamento como na compra, a preferência desta geração centra-se nas tipologias T1 e T2, situadas em locais que sejam centrais em relação à sua vida profissional e social

A geração millennial que integra as pessoas nascidas entre 1980 e 2000 e que atualmente têm idades compreendidas entre os 17 e 37 anos, está a introduzir novas tendências no mercado imobiliário.

São mais desprendidos em relação à propriedade da habitação e demonstram maior necessidade de mobilidade e preferem arrendar a comprar. Escolhem casas onde a tipologia raramente vai além do T2 e gostam de viver nos bairros históricos, centro das cidades ou perto da área de influência da sua vida laboral e social. A maioria gasta até €600/mês em arrendamento e quando adquirem um imóvel não vão além dos €200 mil.

Este é o retrato que três redes de mediação imobiliária traçam deste público que representa já entre 20% a 30% dos seus clientes. Considerada a geração de indivíduos com mais elevados níveis de educação e formação de sempre, os millennials nasceram e cresceram numa era digital e num mundo globalizado. São criativos, empreendedores e cidadãos do mundo, encarando com facilidade a hipótese de trabalhar em qualquer parte do mundo, assim tenham uma oportunidade que satisfaça a suas expectativas. São também mais racionais nas decisões de compra.

Arrendar é a preferência

Na altura de encontrar a casa dos seus sonhos a dimensão traduzida em área é de pouca relevância para esta geração, segundo Ricardo Sousa, CEO da rede imobiliária Century 21 Portugal. “Procuram mais o T1 e o T2, a primeira quando estão a arrendar e a segunda, o T2, quando descobrem que é difícil encontrar o produto adequado no arrendamento e avançam para a compra, como uma decisão de mais longo prazo.”

A marca que lidera realizou no primeiro semestre deste ano um estudo sobre as preferências desta parte da população. Concluiu que 65% destes jovens preferem o arrendamento e apenas 34,4% avançam para a aquisição de imóveis. Cerca de 78% dos millennials optam por arrendamentos até €600 e apenas 19,5% realizam arrendamentos entre os €600 e os €1000.

Já no que respeita à aquisição — e questionadas sobre o valor médio das transações de venda de imóveis realizados pelos millennials —, 50% das lojas da Century 21 Portugal referem que estes se situam abaixo dos €100 mil e 46,9% regista valores médios de venda de casas entre os €100 mil e os €200 mil, neste segmento de consumidores.

Estas tendências são também apontadas por outras redes imobiliárias a operar no país. João Pedro Pereira, diretor-executivo da Era Portugal explica que segundo a experiência vivenciada nas agências da marca “mais de 50% deste público opta pelo arrendamento por uma questão económica, mas estão sempre à espera de uma oportunidade de compra. Consideram a primeira opção como algo de provisório, mas que no entanto pode durar anos”.

Já um bom negócio é traduzido como 'casas boas e baratas, prontas a habitar que impliquem no máximo apenas pequenas obras'. Tanto na compra como arrendamento a opção recai nas tipologias que vão do T0 ao T2.

Apartamentos lideram

São várias as situações que segundo João Pedro Pereira leva estes jovens a equacionar uma solução de habitação. “Procuram casa no final do curso, quando conseguem o primeiro emprego, querem sair de casa dos pais ou têm uma relação amorosa séria”, frisa. Em Lisboa e Porto procuram mais apartamentos e no resto do país a escolha estende-se também às moradias.

Traduzindo isto para número globais, na Era Portugal “51% procura apartamentos, 42% moradias e 7% outras alternativas que, normalmente, são terrenos para construir, um número mais baixo do que a média nacional que quer edificar a sua casa e que anda nos 14 a 15%”, salienta João Pedro Pereira. Na compra, os valores aferidos pela Era Portugal estão entre os €83 mil e os €144 mil .

Na perceção de mercado de Miguel Menezes, responsável na Remax Portugal pela área de formação, “esta é uma geração muito mais desligada da casa do que os seus progenitores e querem T1 e T2 porque são habitações mais humanizadas e pequenas, quando o núcleo familiar é de uma ou duas pessoas. O arrendamento torna-os mais libertos em relação a uma contrato de 35 anos com uma instituição bancária como tiveram os seus pais”.

Na teoria é assim, mas na prática e em grandes centros urbanos como Lisboa e Porto o mercado de arrendamento é escasso e caro e vão ser empurrados para a compra. Para os que estão no final da casa dos 20 anos, “a maioria, se possível, arrenda. Se não vir alternativa vai ter de comprar. Os mais velhos, com uma situação profissional e social mais estável e com família, encaram mais a aquisição”, salienta Miguel Menezes.

Ricardo Sousa fala até de uma nova tendência nos millennials, o coliving que nada mais é do que a partilha de casa por várias pessoas. “Na cidade o que começa a haver disponível são as tipologias maiores e o coliving já vem da universidade. Juntam-se dois ou três amigos, arrendam e partilham a casa, o que é válido, claro, para os solteiros.” Na sua opinião há que sensibilizar cada vez mais os promotores imobiliários para a disponibilização de novos conceitos de habitação, mais enquadrados com as necessidades do mercado. “Estamos muito focados para a família tradicional, para o mercado média-alto e de luxo nas cidades e há cada vez mais necessidade neste segmento médio, médio baixo, uma solução mais low cost para estes jovens”, frisa.

Primazia do centro

Quanto aos critérios de localização e segundo dados da Century 21 Portugal, mais de 61% dos Millennials preferem habitar nos centros urbanos, quase 40% referem ainda que querem viver perto do local de trabalho e 31,3% dos jovens procuram zonas residenciais. Os serviços que mais valorizam na procura de imóveis são as acessibilidades e os transportes públicos, que registam mais de 70% das preferências, a proximidade a supermercados e centros comerciais com 35,9%, as infraestruturas de lazer e desporto são apontadas em 32% das respostas, e a proximidade a escolas é privilegiada em cerca de 30%.

“Gostam de estar no centro de entretenimento e comprar carro não é uma necessidade, pegam no avião e vão para outra cidade, casam e têm filhos mais tarde, compram casa mais tarde, o que faz com que se crie aqui uma necessidade no mercado que no passado não era tão expressiva como atualmente”, salienta Ricardo Sousa.

A esta ideia João Pedro Pereira acrescenta que “querem sítios centrais em relação à sua vida, ou seja, não querem morar longe dos amigos, de onde trabalham ou socializam. Têm também uma maior preocupação de equilibrar a vida profissional com a pessoal”.

Por serem muito virados para a vida exterior, de rua, gostam, na análise de Miguel Menezes, “de bairros históricos, o problema é que aí a valorização tem sido de tal forma exponencial que acaba por expurgar esta geração outra vez e acabam por arrendar o que encontram”, finaliza.