Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

O que a Altice quer mudar na Media Capital

Patrick Drahi, presidente-executivo da Altice

PHILIPPE WOJAZER / Reuters

O negócio promete trazer novos canais de televisão, serviços inovadores, investimento e exportação

"Aumentar o investimento em conteúdos portugueses" e "desenvolver novos canais televisivos e formatos" são dois pontos centrais na estratégia da Altice para o sector dos media em Portugal, informa o anúncio preliminar de lançamento da OPA sobre a Média Capital, dona da TVI.

Tendo como objetivo o "sucesso num panorama digital e dos média em rapida evolução e com novos desafios e oportunidades", a empresa apresenta desde já 7 linhas de ação para o futuro: Investir na expansão digital, desenvolver novos canais televisivos e formatos, lançar serviços novos e inovadores, aumentar os investimentos em conteúdos portugueses, melhorar o alcance de canais fundamentais como a TVI24, usar a Plural como núcleo de produção de conteúdos global, exportar conteúdo português para outros territórios em que a Altice atue, em especial para França e para os Estados Unidos.

O negócio, no valor de 440 milhões de euros, enquadrado na "estratégia de convergência global da Altice", e no "caminho adotado em França, nos Estados Unidos e em Israel" deverá permitir "fortalecer significativamente o sector dos media português que continua a assistir a um aumento contínuo da concorrência internacional, em particular por parte dos operadores da internet globais", sublinha o comunicado de anúncio preliminar da OPA.

"A Altice quer fornecer mais conteúdos a todos os consumidores portugueses num mundo digital e, como tal, disponibilizar mais oferta centrada em formatos e produção locais", acrescenta o comunicado.

A Prisa já confirmou à CMVM que aceitou a oferta vinculativa apresentada pela Altice para a totalidade da sua participação que na Media Capital, perto de 95%, por 440 milhões de euros.