Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Bolsas mundiais no vermelho na primeira semana de julho

Índice mundial perdeu 0,24% durante a semana, mas bolsas europeias e de Nova Iorque escaparam às quedas. Tecnológicas registaram ganhos semanais. Ásia Pacífico e emergentes com pior desempenho

Jorge Nascimento Rodrigues

A primeira semana de julho registou perdas de 0,24% no índice MSCI para o conjunto das bolsas mundiais.

Os piores desempenhos semanais ocorreram com os índices MSCI para a ‘região’ da Ásia Pacífico e para os 24 mercados emergentes. O melhor desempenho verificou-se no índice MSCI para as praças financeiras da zona euro. Nova Iorque, com as duas bolsas mais importantes do mundo, encerrou com um ganho semanal ligeiro, pouco acima da linha de água. O índice PSI 20 de Lisboa conseguiu ter um ganho ligeiro nesta primeira semana do segundo semestre.

A divulgação, na semana que findou, das atas das reuniões de junho dos dois mais importantes bancos centrais do mundo, a Reserva Federal norte-americana (FED) e o Banco Central Europeu (BCE), permitiu consolidar o ‘sentimento’ dos investidores de que uma transição de ‘época’ está em curso.

Continuar a dançar, mas mais perto da saída

Nos Estados Unidos, a FED prepara-se para iniciar, ainda este ano, o emagrecimento dos ativos do seu balanço adquiridos durante as várias fases do quantitative easing (QE) de 2008 a 2014. Na zona euro, os investidores leram, em frases proferidas por Mario Draghi no Fórum anual de Sintra e nas revelações das atas da reunião de junho do BCE, uma predisposição para um desacelerar do QE.

Face aos sinais de ajustamento da política monetária expansionista na Europa e nos EUA, a mudança no comportamento do mercado bolsista começa a ser clara, depois da exuberância dos últimos 12 meses.

O novo espírito pode ser sintetizado na frase do investidor de alto risco Ray Dalio, fundador da Bridgewater Associates, proferida no dia 6 de julho: “a nossa responsabilidade é continuar a dançar, mas mais perto da porta de saída”.

No balanço semanal, o índice MSCI para a zona euro registou um ganho de 0,59% e o índice para os EUA conseguiu escapar ao vermelho, com um avanço ligeiro de 0,02%. As descidas ocorreram com os índices MSCI para a Ásia Pacífico, que caiu 1,19%, e para as economias emergentes que recuou 0,82%. As maiores quedas semanais em termos de índices por bolsas registaram-se em Tóquio, Taipé e Hong Kong, entre as principais praças mundiais. Nos mercados emergentes, África do Sul, Arábia Saudita e Turquia lideraram as quedas semanais acima de 2,5%.

Na União Europeia, sete bolsas registaram subidas semanais dos índices bolsistas acima de 1%. Entre as praças mais importantes, Milão liderou, com o índice MIB a fechar com um ganho semanal de 2%. O PSI 20, em Lisboa, escapou ao vermelho, com uma subida semanal ligeira de 0,02%.

Esta semana, as tecnológicas dos dois lados do Atlântico Norte registaram subidas. O Nasdaq, das tecnológicas norte-americanas, subiu 0,21%, e o índice de referência do sector na Europa, para 600 cotadas tecnológicas, avançou 0,43%.