Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Portugal vai pagar 3,5 mil milhões ao FMI até final de agosto

Mil milhões de euros seguem na sexta-feira. Os outros 2,5 mil milhões são transferidos em julho e agosto. A antecipação do pagamento ao Fundo Monetário Internacional foi esta quarta-feira formalmente autorizada pelos parceiros e credores europeus

A primeira transferência para o Fundo Monetário Internacional deve ser feita já esta sexta-feira, num total de mil milhões de euros. Depois em julho e agosto, são pagos mais 2,5 mil milhões de euros. Cerca de 1,25 mil milhões em cada mês, adiantou fonte do Governo.

No final da última reunião do Eurogrupo, Mário Centeno tinha já assumido que pretendia pagar a primeira fatia até ao final deste mês. Faltava o "ok" dos credores europeus, que foi dado formalmente esta quarta-feira.

"Estes pagamentos antecipados vão baixar as custos de Portugal com o serviço da dívida, melhorar a sustentabilidade da dívida e enviar um sinal positivo para os mercados", disse esta quarta-feira em comunicado o diretor do Fundo Europeu de Estabilização Financeira e do Mecanismo Europeu de Estabilidade – o fundo de resgate da Zona Euro.

Klaus Regling saúda a decisão e encoraja ainda o Governo português a "usar qualquer folga orçamental adicional, criada por este tipo de pagamentos antecipados ou resultante da boa performance económica, para continuar reduzir o nível da dívida".

O Fundo Europeu de Estabilização Financeira contribuiu com 26 mil milhões de euros para o resgate português, o que faz dos países da moeda única os principais credores de Portugal. Qualquer antecipação dos reembolsos ao FMI requer sempre uma autorização quer dos países do euro, quer do conjunto dos 28 - que também contribuíram para o resgate através do Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira.

Os ministros europeus das Finanças, quer no Eurogrupo - reunidos a 19 –, quer no Ecofin – reunião dos 28 - tinham já dito que concordavam "em princípio" com a operação. A luz verde foi esta quarta-feira finalmente formalizada.

Ao que o Expresso apurou, até ao final do ano não estão previstos mais pagamentos antecipados. Mas a intenção do Governo é transferir cerca de 9,4 mil milhões de euros para o FMI até 2019.

O valor a transferir em julho e agosto vem em grande parte, 2,25 mil milhões de euros, do empréstimo do Santander, no âmbito do acordo dos Swaps.