Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Europa abre com perdas, depois de bolsas mundiais terem fechado no vermelho no dia anterior

O índice mundial das bolsas perdeu quase meio ponto percentual na terça-feira. A queda mais acentuada registou-se nas bolsas de Nova Iorque. Os índices tecnológicos caíram mais de 1% na Europa e nos EUA. Europa abre esta quarta-feira em terreno negativo

Jorge Nascimento Rodrigues

As bolsas mundiais voltaram ao vermelho na terça-feira. O índice mundial MSCI registou uma perda de 0,48%, depois de ter ganho 0,2% no dia anterior.

A Europa abriu esta quarta-feira em terreno negativo. O Eurostoxx 50 (das cinquenta principais cotadas da zona euro) está a perder mais de 0,7% e os futuros em Wall Street estão abaixo da linha de água.

Com exceção de Syndey, as bolsas asiáticas já fecharam ou estão a negociar no vermelho esta quarta-feira. O índice Nikkei 225 de Tóquio, a bolsa mais importante da região e a terceira mais importante do mundo, encerrou hoje com uma queda de quase meio por cento.

Tecnológicas em queda

A empurrar as bolsas mundiais para terreno negativo na terça-feira estiveram as bolsas de Nova Iorque, com o índice MSCI para os Estados Unidos a cair 0,83%.

Em Wall Street, o Dow Jones 30, dos pesos pesados, perdeu 0,46% e o S&P 500 recuou 0,81%. Na bolsa das tecnológicas, o índice Nasdaq caiu 1,61%, prosseguindo a queda que se verificou na Europa, onde o índice de referência das 600 tecnológicas europeias cotadas perdeu 1,4%.

O índice S&P 500 registou a maior queda diária nas últimas seis semanas e encerrou no nível mais baixo desde o final de maio. O Nasdaq registou a pior sessão diária desde 9 de junho, quando recuou 1,8%. Ontem registou a segunda pior sessão do mês.

Apesar da vaga pessimista internacional, os índices MSCI para a zona euro e paneuropeu fecharam na terça-feira ligeiramente acima da linha de água, contrastando com as quedas registadas nos índices MSCI para os emergentes (recuo de 0,24%) e Ásia Pacífico (perda de 0,22%).

No entanto, na Europa, os índices de referência Eurostoxx 50 e 600 fecharam na terça-feira a cair 0,66% e 0,79% respetivamente. Em Lisboa, o PSI 20 perdeu 0,81%. A maior queda na zona euro registou-se para o índice italiano MIB de Milão com um recuo de 1,01%.

Triplo efeito negativo

Os mercados financeiros foram afetados negativamente na terça-feira por três 'eventos'.

A Comissão Europeia decidiu aplicar à Google uma multa recorde de 2,42 mil milhões de euros por abuso de posição dominante. As ações da Alphabet (empresa proprietária da Google) caíram 2,47% na bolsa de Nova Iorque e arrastaram para o vermelho outros pesos pesados tecnológicos norte-americanos: Facebook perdeu 1,96%, Microcoft caiu 1,87% e Amazon recuou 1,73%. Apple, Cisco e Intel também fecharam com perdas acima de 1%.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reviu em baixa as previsões para o crescimento nos Estados Unidos, descendo de 2,3% para 2,1% em relação a 2017 e de 2,5% para 2,1% para o ano seguinte, segundo o documento de análise à economia norte-americana ao abrigo do artigo IV que publicou na terça-feira. O FMI fez estes cortes de previsão retirando do cenário base o efeito positivo dos estímulos da política da administração Trump que havia considerado nas projeções de abril.

No Senado norte-americano, foi adiada a votação do projeto lei de revogação do Obamacare, alimentando ainda mais o clima de incerteza sobre a capacidade real de execução concreta da política da Administração Trump.