Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Juros da dívida em alta, apesar de saída de Portugal do PDE

Os juros das Obrigações do Tesouro português a 10 anos estão acima de 2,92%, prosseguindo uma trajetória de subida apesar do Ecofin ter oficializado esta sexta-feira a saída do país do procedimento por défice excessivo (PDE)

Jorge Nascimento Rodrigues

Os juros (yields) das Obrigações do Tesouro no prazo de referência, a 10 anos, estão, no final desta sexta-feira, acima de 2,92% no mercado secundário da dívida, depois do fecho dos mercados financeiros na Europa.

Apesar do Ecofin ter oficializado hoje a saída de Portugal do procedimento por défice excessivo (PDE), os juros daquela linha obrigacionista de referência têm registado uma trajetória de subida e estão, agora, três pontos base acima do valor de fecho do dia anterior.

Em relação ao leilão de quarta-feira desta OT a 10 anos, onde o Tesouro português pagou 2,851%, as yields no mercado secundário são, agora, superiores. Permanecem, contudo, abaixo de 3%, o valor de encerramento da semana anterior.

A taxa de colocação de 2,851% no leilão de dia 14 de junho foi a mais baixa desde novembro de 2015 num leilão de dívida a 10 anos. E ficou claramente abaixo da taxa de 3,386% paga no leilão da mesma linha em maio.

  • Fitch melhora posição de Portugal de “estável” para “positivo”

    A Fitch vai passar esta sexta-feira a sua perspetiva sobre Portugal de “estável” para “positiva”, o que significa que na próxima revisão, em dezembro, poderá aumentar o rating do país, retirando-o da notação “lixo”. O anúncio surge no mesmo dia em que Bruxelas retirou Portugal do Procedimento por Défice Excessivo

  • Os juros das Obrigações do Tesouro a 10 anos no mercado secundário não sofreram alteração depois da oficialização esta sexta-feira pelo Ecofin da saída do país do procedimento de défice excessivo (PDE). Juros em alta na zona euro, com exceção da Grécia. Espanha lidera subidas

  • FMI faz aviso a Portugal, Itália e França

    Um relatório do FMI recomenda que os três países prossigam o rumo de consolidação orçamental e de reformas estruturais enquanto o clima económico e político é favorável e o BCE continuar a injetar estímulos. Quando acabar o QE, os prémios de risco da dívida podem subir