Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

ANA diz que a TAP tem de desviar rotas para o Porto porque a Portela não aguenta mais

Getty

Ponce de Leão, presidente da ANA, avisa que o aeroporto de Lisboa já está com ocupação a 91%, e se a TAP não olhar o Porto “outras companhias o farão, e já as estamos a contactar”

O presidente da ANA, Ponce de Leão, adverte que o aeroporto de Lisboa já está com ocupação a 91%, e se a TAP não olhar o Porto no objetivo de abrir uma base operacional, “outras companhias o farão, e já as estamos a contactar”.

O objetivo da TAP começar a fazer 'hub' do Porto, aliviando assim o 'hub' de Lisboa "que serve mais de plataforma entre voos intercontinentais do que para deixar turistas na cidade", também é reclamado pelos hoteleiros, através da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), no sentido de não travar o crescimento turístico em Lisboa previsto para os próximos anos.

O aeroporto de Lisboa está já à beira do limite de capacidade em termos de 'slots' (faixas horárias para as companhias poderem voar) e de janeiro a maio foi dos que mais crescimento registou entre os aeroportos europeus, atingindo mais de 1,4 milhões de passageiros.

Grande parte dos 'slots' são ocupados por voos da TAP, que tem em Lisboa a sua plataforma (hub) de voos intercontinentais para distribuir passageiros por vários destinos europeus.

"Se a TAP não fizer o que é razoável (criar uma base operacional no Porto), entretanto a concorrência vai tomar esse lugar, e já estamos a contactar outras companhias para iniciar voos de longo curso no Porto", avança o presidente da ANA.

Segundo Ponce de Leão, a taxa de ocupação do aeroporto de Lisboa em termos de 'slots' já vai em 91% sobrando apenas "buraquinhos" nas faixas horárias comercialmente menos interessantes, "e não há solução a curto prazo que não passe pelo Montijo", que só ficará operacional em 2010.

"Os próximos dois a três anos vão ser críticos, e Lisboa não vai poder crescer mais, porque não há mais 'slots'", sublinha o presidente da AN, sustentando que "a ponte aérea da TAP também pode levar os passageiros para o Porto, e esta era a forma de resolvermos o problema no curto prazo em Lisboa".

Dizer 'não' a companhias japonesas que querem voar para Lisboa

Ponce de Leão avança que no verão de 2017 vai ser iniciada uma operação 'charter' para Lisboa de duas companhias japonesas, a Japan Airlines (JAL) e a All Nippon Airways (ANA), totalizando 500 passageiros, e que é uma "janela de oportunidade" para trazer a Portugal mais turistas do Japão "e de outros mercados asiáticos".

"O meu desespero é que se a operação do Japão correr bem e as companhias quiserem voar para Lisboa numa base regular, eu vou ter de dizer 'não' por não haver mais 'slots', e isso para mim representa uma grande frustração", salienta o presidente da ANA.

Neste momento já não há 'slots' disponíveis no aeroporto de Lisboa em horas de pico mais procuradas pelas companhias aéreas (das 6h30 às 9h30, das 12h00 às 14h00 ou das 18h30 às 20h30), e segundo Ponce de Leão conseguir encaixar voos nos "buraquinhos livres" tem sido um desafio permanente.

A TAP lança este sábado, 10 de junho, novas rotas no aeroporto de Lisboa que incluem cinco voos semanais para Toronto, no Canadá, além de voos diários para Gran Canaria e Alicante (Espanha) e dois voos diários para Estugarda (Alemanha). Em julho irá também abrir novas rotas para Budapeste, Bucareste, Colónia, Abidjan (Costa do Marfim) e Lomé (Togo).

Para Ponce de Leão, se a transportadora não começar a olhar o Porto, além de Lisboa, como base de distribuição de passageiros de voos intercontinentais para outros destinos europeus, "dentro de dois a três anos a TAP vai ficar bloqueada no seu crescimento".