Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Alta de Lisboa vende 120 casas em duas semanas

Imagem 3D de como irá ficar o projeto cuja conclusão está prevista para outubro de 2018

Preços em saldo e escassez de oferta na cidade dão novo impulso a projeto de Stanley Ho

Depois de anos de marasmo, a Alta de Lisboa parece ter voltado, em grande, às vendas de casas. A falta de oferta nova no mercado a preços acessíveis às bolsas dos clientes nacionais parece ser a principal razão para uma autêntica corrida aos apartamentos em venda: do Condomínio do Lago, lançado a 16 de março passado com um total de 172 unidades de várias tipologias em venda, apenas restam cerca de 20 unidades. E o próximo projeto já tem uma lista de espera com mais de 500 interessados.

“E só nas primeiras duas semanas foram vendidas 120 unidades. A verdade é que não existe oferta nova na gama de preços que nós praticamos e para o tipo de produto que temos”, diz Miguel Lobo, diretor comercial da Sociedade Gestora da Alta de Lisboa (SGAL).

Uma busca rápida à oferta existente nos portais de imobiliário permite constatar que assim é: um T1 usado no Lumiar, a apenas cinco minutos de carro da Alta de Lisboa, pode chegar aos 150 mil, quando um idêntico a estrear, está a ser promovido pela SGAL por €119 mil.

Leia mais na edição deste fim de semana