Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Teixeira Duarte segue obras de €310 milhões em Nova Iorque

No Texas, o grupo vai investir na promoção imobiliária e já comprou dois lotes de terreno

Nos Estados Unidos, a Teixeira Duarte (TD) segue obras de 340 milhões de dólares (310 milhões de euros) e acredita que durante 2017 alguns dos concursos em que está envolvida se transformem em adjudicações.

A TD firmou uma parceria com a EIC Associates, uma construtora de New Jersey que opera no Estado de Nova Iorque. O contrato visou a criação de um departamento especializado em geotecnia, fundações e obras marítimas, evitando que a EIC recorra a subempreiteiros nestas especialidades. Atualmente, estão asseguradas duas obras em Nova Iorque com a intervenção direta da TD/EIC.

Na frente imobiliária, a TD escolheu o Texas. Primeiro abordou o mercado e em 2016 finalizou a compra de dois terrenos em Dallas. A construtora não fornece detalhes, confirmando que os projetos "estão em desenvolvimento". E porquê o Texas para testar a sua capacidade na promoção imobiliária? O estado do Texas tem um "nível de desenvolvimento elevado, apresenta bons indicadores, um crescimento do PIB de 4% ao ano e baixo nível de desemprego". A faixa metropolitana Dallas-Fort Worth, com uma população de sete milhões de habitantes, é das que mais cresce nos Estados Unidos.

Peru e Colômbia

Com o arrefecimento dos mercados africanos, à exceção da Argélia, a TD vira-se para novos mercados na América Latina. Peru e Colômbia são mercados com contratos firmes de obras subterrâneas e execução de estruturas para um condomínio residencial. No Peru, além de uma obra para o metro de Lima (2,9 milhões de euros) disputa concursos que totalizam 27 milhões de euros.

Equador (estradas e barragens), Bolívia (hospitais) e Nicarágua (construção e operação de portos, replicando o modelo da Venezuela) são outros mercados sob escrutínio.

Na Colômbia, avalia contratos mais volumosos e conta já com empreitadas em Bogotá e Medellin que levou ao reforço da capacidade operacional no país. É neste mercado que a TD mete fé para reforçar a produção na América Latina, ancorada ate agora no Brasil e Venezuela.

Noutras geografias, a TD cita as propostas apresentadas em Omã e no Kuwait e a pré-qualificação para um projeto de uma grande ponte de tirantes na Croácia, financiado pela União Europeia.

Bruxelas e Qatar

Nos negócios exteriores à construção, a área de serviços e gestão de instalações (Facilities Management ) está em modo de prosperidade.

Em Bruxelas, já está em execução o contrato de sete anos para a manutenção dos edifícios do Conselho Europeu (400.000 metros quadrados), suportada por uma equipa permanente de 30 elementos e um valor global de 27 milhões de euros.

No Qatar, a parceria com um operador local conta com dois contratos. Será responsável pela conservação de um lote de edifícios da Qatar Foundation, incluindo um hospital e instalações técnicas. Um segundo contrato envolve um centro de escritórios e residencial que acolhe um edifício da Qatar Petroleum.

Brasil em alta

O conglomerado da família Teixeira Duarte prevê para 2017 uma receita de 1,2 mil milhões de euros (1,1 mil milhões em 2016), cabendo à construção metade do valor.

A TD lida com uma carteira de obras de 2 mil milhões e tem assegurada para 2017 uma produção de 630 milhões (470 milhões para 2018).

Em 2017, Brasil (35%), Argélia (30%), Portugal (14%) e Angola (10%) serão os principais motores da atividade de construção.