Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

McDonald’s tem o melhor ano de sempre em Portugal

Jorge Ferraz lidera a McDonald’s Portugal, onde começou a trabalhar em 1991, quando a cadeia de restauração se estreou no país

Mário Joao

Vendas cresceram 11% em 2016, num ano em que a cadeia abriu cinco novos restaurantes

Há-os para todos os gostos. Os fast-food, os gourmet, os artesanais, os vegetarianos, aqueles que são servidos em bolo de caco madeirense ou com bife de atum, em vez da carne de vaca. As variações são infinitas. Os hambúrgueres ganharam fama nos últimos anos e constam de qualquer menu, até em alguns dos mais prestigiados restaurantes ou hotéis e, das pequenas às maiores cidades portuguesas, nascem hamburguerias. Há fome para tanta oferta? Sim, a crer pelos resultados da McDonald’s, que, em 2016, continuou a crescer e teve o seu melhor ano em Portugal: um aumento de vendas de 10,8% (que alcançaram os €338 milhões) e uma distinção da casa-mãe como a operação internacional com melhor desempenho global.

O aumento da concorrência, que incluiu não apenas o aparecimento de pequenas cadeias de hambúrgueres mas também a expansão de redes mundiais como a Burger King em território nacional, não beliscou a posição de liderança da McDonald’s: “No início, ficámos um pouco apreensivos, porque o crescimento do sector foi muito acelerado e repentino. Mas cedo percebemos que a concorrência é benéfica e já não nos assusta: tornou a nossa oferta mais credível e, ao mesmo tempo, fez-nos andar mais rápido”, analisa Jorge Ferraz, diretor-geral da McDonald’s Portugal.

Leia mais na edição deste fim de semana