Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Ainda há máquinas que dão trabalho

Todos os dias surgem pedidos de operadores de máquinas de controlo numérico computorizado (CNC)

Alberto Frias

Os ‘maquinistas’ da quarta revolução industrial querem-se especializados mas também com uma visão multidisciplinar

Rute Barbedo

Programadores de fresadoras CNC, técnicos de mecatrónica, soldadores e engenheiros de soldadura, operadores de impressoras 3D, costureiros, especialistas em desenho assistido por computador. A lista de profissões é extensa e cada uma aplica-se, em simultâneo, a alguns dos sectores industriais com o melhor desempenho a nível nacional (como o têxtil, o calçado ou a metalurgia). Todas partilham do mesmo hipocentro: são máquinas que as fazem existir. E isto acontece no mesmo mundo que emite alertas sucessivos da substituição do homem pela máquina — o Fórum Económico Mundial prevê o desaparecimento de cinco milhões de empregos até 2020.

Talvez seja melhor não esperar que a tecnologia nos passe a perna e são cada vez mais as vozes que pedem mão de obra especializada e atualizada. “Em todo o sector industrial, as máquinas são criadoras de emprego líquido”, defende Manuel Grilo, diretor do CENFIM-Centro de Formação Profissional da Indústria Metalúrgica e Metalomecânica, que exemplifica: “Não há um profissional de metalomecânica inscrito num centro de emprego, tanto pelo crescimento do sector [alavancado pelo aumento das exportações] como pela sua modernização. O que acontece é que as novas tecnologias trouxeram um emprego diferente, muito mais qualificado.

Uma busca rápida nos principais portais de emprego dá conta da procura quase diária de programadores e operadores de CNC (controlo numérico computorizado), que permitem “esculpir” materiais brutos, como a madeira ou o metal, transformando-os em produtos finais de áreas como o mobiliário ou a aeronáutica. O fenómeno não é exclusivo de Portugal, razão pela qual “muitas empresas francesas e holandesas vêm cá buscar estes profissionais”, descreve Manuel Grilo. No ano passado, mais de 90% das 13 mil pessoas formadas nos 13 núcleos do CENFIM (não apenas em CNC) conseguiram emprego na área em menos de seis meses.

Leia mais na edição deste fim de semana