Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Inflação na zona euro reaproxima-se de 2%

A inflação deverá ter subido para 1,9% em abril, segundo as estimativas do Eurostat divulgadas esta sexta-feira. Surpreendeu a subida da inflação subjacente, que exclui as componentes mais voláteis do índice de preços, para 1,2%, o nível mais elevado desde junho de 2013

Jorge Nascimento Rodrigues

A inflação na zona euro subiu para 1,9% em abril, segundo a estimativa preliminar do Eurostat, o organismo de estatísticas da União Europeia, divulgada esta sexta-feira. A subida já era esperada pelos analistas, mas as previsões apontavam para 1,8%. A variação do índice de preços no consumidor voltou a um nível próximo de 2%, onde se situou em fevereiro passado. Em março havia desacelerado para 1,5%. A subida em abril foi marcada pela variação dos preços na energia (7,5%, acima de 7,4% registada em março), a componente mais volátil e nos serviços (1,8%, que compara com 1% no mês anterior).

Em virtude da volatilidade das componentes ligadas à energia e à alimentação, álcool e tabaco, o Eurostat fornece, também, o que é designada por inflação subjacente, que exclui precisamente as variações de preços naqueles sectores. A subida de 0,7% em março para 1,2% em abril surpreendeu os analistas, que só previam um aumento para 0,9%. É o nível mais elevado desde junho de 2013.

O Banco Central Europeu (BCE) tem como meta da sua política uma inflação próxima, mas abaixo de 2%, mas dedica, também, atenção à evolução da inflação subjacente. Desde junho de 2014, quando o BCE iniciou uma nova fase na sua política monetária com o recurso a novas medidas não convencionais, que a inflação subjacente raramente superou 1%. A subida para 1,2% em abril é uma alteração significativa no padrão da inflação subjacente desde meados de 2013.

O presidente do banco central da zona euro, Mario Draghi, sublinhou na quinta-feira que a sua equipa tem de ficar suficientemente confiante que "a inflação convergirá duravelmente" para a meta dos 2%, que o índice "tem de mostrar uma tendência altista convincente, e não sujeita a desenvolvimentos passageiros". E sobre a inflação subjacente disse que continua a ser "excessivamente moderada".

Ontem e hoje foram divulgadas as estimativas para a inflação em abril na Alemanha, Espanha e Itália. Nos três países subiu para 2% ou mais. No caso alemão, a subida foi de 1,5% em março para 2% em abril. No mesmo período, para Espanha aumentou de 2,1% para 2,6% e para Itália passou de 1,4% para 2%.