Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Governo concessiona Hotel Turismo da Guarda

DR

Governo está a preparar o concurso público para lançar o edifício à concessão privada para fins turísticos. Devoluto há vários anos, o antigo Hotel Turismo da Guarda já foi alvo de dois concursos com vista à sua venda, que ficaram desertos

O antigo Hotel Turismo da Guarda, um dos mais emblemáticos edifícios da cidade da Guarda que há anos se encontra devoluto, é o mais recente imóvel a ser incluído no Revive, programa do Governo destinado a concessionar a privados edifícios públicos de valor patrimonial que estão ao abandono, e para fins turísticos. O concurso público do Hotel Turismo da Guarda já está a ser preparado com o objetivo de ser lançado durante o primeiro semestre de 2017.

Projetado em 1936 pelo arquiteto Vasco Regaleira, o Hotel Turismo da Guarda já foi explorado por várias sociedades hoteleiras, acabando por ir parar às mãos da câmara municipal e tendo cessado atividade em 2010 por acumulação de prejuízos. O imóvel foi assumido pelo Turismo de Portugal em 2011, pelo valor de €3,5 milhões, sendo na altura a intenção de instalar ali uma escola de hotelaria e turismo, num investimento então avaliado em€12 milhões.

O projeto entretanto 'esbarrou' com processos eleitorais, e já foi alvo de dois procedimentos para a sua venda em 2015 que não acolheram interesse dos investidores. Uma hasta pública chegou a despertar o interesse da Visabeira, mas a empresa acabou por desistir.

Uma condição 'sine qua non' para uma nova hasta pública do edifício era fazer uma avaliação do edifício, que com anos de inatividade se foi degradando, e se ficou por €1,7 milhões.

Com a integração do Hotel turismo da Guarda, o edifício mantém-se do Estado sem ser vendido, mas será concessionado para unidade hoteleira com uma componente de formação. Segundo a Secretaria de Estado do Turismo, "a solução encontrada para este imóvel passa também por uma aposta na qualificação dos recursos humanos, uma vez que incluirá uma componente de formação prática (estágios) para alunos de cursos de turismo de instituições de ensino superior da região, promovendo-se assim, a formação em contexto real de trabalho. Esta é, de resto uma solução que também está contemplada para a Quinta do Paço de Valverde, em Évora, outro dos imóveis do Revive".

A situação do Hotel Turismo da Guarda tem gerado acesa polémica na câmara da Guarda, tendo ontem o seu presidente, Álvaro Amaro, afirmado em assembleia municipal que o atraso no seu processo de venda "é quase um crime económico".