Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Portugal vai ter voos diretos para a China a 300 euros

A 26 de julho arrancam três voos semanais de Pequim a Lisboa, às quartas, sextas e domingos. Ao contrário do objetivo inicial, já não passam por Hangzhou, por falta de disponibilidade no aeroporto chinês

A companhia chinesa Beijing Capital Airlines, do grupo HNA, vai iniciar a 26 de julho os voos diretos Portugal-China, que numa fase inicial terão preços entre 300 e 400 euros em classe económica, e andarão na casa dos 600 euros em classe executiva.

Esta rota terá três voos semanais entre Pequim e Lisboa, às quartas, sextas e domingos – que chegarão ao aeroporto da Portela às 7h30 e partirão para a China às 11h.

O objetivo da Beijing Airlines era iniciar a rota direta para Portugal com quatro voos semanais, mas tal não foi possível devido à falta de slots no aeroporto de Pequim. Segundo a companhia aérea chinesa, a meta de alargar esta rota de três para quatro voos semanais continua de pé até haver disponibilidade no aeroporto de Pequim.

Os voos serão diretos de Pequim a Lisboa, e ao contrário do´que foi inicialmente anunciado já não passarão por Hangzhou, cidade na costa leste da China, também por motivos que se prendem com a falta de slots no aeroporto de Pequim – mantendo a Beijing Airlines a intenção de fazer a triangulação dos voos de Pequim a Lisboa passando por Habgzhou logo que houver disponibilidade aeroportuária do lado chinês.

A rota direta entre a China e Lisboa vai ter uma disponibilidade total de 40 mil lugares numa operação anual, prevendo aqui a Beijing Airlines atingir ocupações médias de 80%. Em 2017, com a rota a começar só a 26 de julho, a previsão da Beijing Airlines é transportar 14 mil passageiros chineses, mas também se propõe aumentar o volume de portugueses na China.

"Houve 53,4 mil visitantes portugueses na China em 2015, o que ainda é muito pouco", frisou Coral Chen, diretora da Beijing Capital Airlines numa apresentação sobre 'Mercado Chinês' que decorreu esta quinta-feira em Lisboa, promovida pela Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) e a Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa.

"A primeira escolha dos chineses que começam agora a viajar não seria Portugal, mas depois do primeiro voo direto isso pode mudar", salienta a diretora-geral da transportadore chinesa, frisando que o país tem "futebol, cultura e muitas coisas que podem interessar os chineses".

Maioria dos chineses chega a Portugal através de Espanha

Os hóspedes chineses em Portugal subiram para 183 mil em 2016 e foram geradores de 307 mil dormidas e de 72 milhões de euros em receitas turísticas. Segundo Miguel Moraes, responsável de marketing externo do Turismo de Portugal, apesar deste mercado estar atualmente em 18.º lugar em dormidas, "não é de estranhar que dentro de dois anos atinja o 'top 10' nacional, se a China continuar a crescer ao ritmo dos últimos anos".

Dos 183 mil chineses que vieram a Portugal no ano passado, só 41 mil chegaram por via aérea e passaram por aeroportos nacionais. "A grande maioria dos turistas chineses vem por terra através de circuitos organizados sobretudo a partir de Espanha, mas também França ou Marrocos", salientou Miguel Moraes no evento sobre o "Mercado Chinês".

Em 2017, o Turismo de Portugal tem previstas 13 campanhas com operadores turísticos na China "o que vai fazer uma viragem para o novo ciclo que se aproxima com a abertura do voo direto entre Lisboa e Pequim", adiantou Miguel Moraes.

De acordo com o responsável de marketing do Turismo de Portugal, a nova rota direta vai também levar a uma campanha para promover Portugal na China que vai envolver investimentos de dois milhões de euros, que serão partilhados com o grupo HNA e envolvem também a ANA e o Turismo de Lisboa.