Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Juros da dívida em mínimos de quase seis meses, em dia de reunião do BCE

Os juros das Obrigações do Tesouro a 10 anos desceram esta quinta-feira para perto de 3,5% a uma hora de serem conhecidas as decisões da reunião do BCE. Portugal e Grécia são os dois periféricos que estão a beneficiar mais no mercado secundário do efeito Macron, da manutenção da política do BCE e do sentimento económico na zona euro estar em máximo de 10 anos

Jorge Nascimento Rodrigues

As yields das Obrigações do Tesouro português (OT) a 10 anos desceram esta quinta-feira ao final da manhã no mercado secundário da dívida para 3,52%, abaixo do mínimo registado durante a sessão de terça-feira. Este mínimo de quase seis meses, registou-se a uma hora de serem conhecidas as decisões da reunião de política monetária do Banco Central Europeu (BCE).

O clima geral na zona euro tem melhorado esta semana com o efeito positivo dos resultados da primeira volta das eleições presidenciais no domingo em França (efeito Macron, mais acentuado na segunda-feira), da reafirmação da manutenção da política expansionista do BCE por Mario Draghi na reunião do Fundo Monetário Internacional (FMI) da semana passada e da subida do sentimento económico na zona euro para um máximo de 10 anos, aumentando de 108 em março para 109,6 pontos em abril.

Em Portugal, foi divulgada a melhoria do défice orçamental no primeiro trimestre deste ano em relação a período homólogo do ano passado, notícia que teve repercussão internacional, e a subida do indicador de confiança nos consumidores portugueses para o nível mais elevado desde outubro de 1997. No entanto, este indicador continua em terreno negativo, mas subiu de -3,4 em março para -1,8 em abril, um nível que está muito distanciado de -12,37 em abril do ano passado e de -19,4 em abril de há dois anos. O nível mais baixo de confiança desde a entrada no euro foi atingido em janeiro de 2013, descendo para -59,8.

Grécia e Portugal são os dois periféricos do euro que mais estão a beneficiar no mercado secundário da dívida com este clima favorável. Em relação ao fecho na sexta-feira passada, antes de conhecidos os resultados das eleições em França que decorreram no domingo, as yields das OT desceram 24 pontos base e as relativas às obrigações gregas caíram 23 pontos base. No caso helénico, o clima favorável é reforçado pela perspetiva do fecho de um acordo técnico entre Atenas, credores oficiais europeus e FMI até à reunião do Eurogrupo de 22 de maio.