Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Luís Onofre é o novo presidente do calçado

Rui Duarte Silva

Nas eleições mais concorridas de sempre na história da APICCAPS, o empresário de Oliveira de Azeméis foi escolhido para liderar a "indústria mais sexy da Europa". Sucede a Fortunato Frederico, que liderou a APICCAPS nos últimos 18 anos

A cerimónia de tomada de posse será, apenas, em meados de maio, mas os industriais do calçado escolherem esta sexta-feira Luís Onofre como presidente da sua associação. O homem eleito para dar a cara pela indústria "mais sexy da Europa" já calçou nomes como a rainha Letizia de Espanha, a ex-primeira dama norte-americana Michelle Obama ou a atriz Emma Watson, tem uma loja na Avenida da Liberdade, em Lisboa, prepara a abertura da sua segunda loja, agora na Avenida da Boavista, no Porto, e combina no currículo títulos como o de 'GQ Portugal Men of the year 2014' e a condecoração com a Ordem de Mérito Industrial, em 2015.

Para a estrutura associativa é o início de um novo ciclo, depois de 18 anos de liderança de Fortunato Frederico. Entre este empresário de 72 anos e Luís Onofre, de 45 anos, a representar a terceira geração de uma família ligada ao calçado, há um salto geracional de 30 anos que reflete, também, a própria evolução desta indústria, apostada em afirmar-se como a principal referência internacional no mundo dos sapatos.

Conhecido pelos saltos vertiginosos dos sapatos que desenha e que podem chegar aos €3 mil, Luís Onofre tinha sido indigitado pela direção atual para constituir uma lista de consenso, numa decisão em que pesou a convicção de que o empresário e estilista de Oliveira de Azeméis, formado na Academia de Design e Calçado de São João da Madeira, tem "um perfil à medida da dinâmica da fileira" e será hoje a principal referência entre os jovens que frequentam cursos de formação nesta área, como o Expresso noticiou na sua edição de 18 de março.

No entanto, Onofre acabou por ter de disputar a liderança da associação com o empresário Sérgio Cunha, de Felgueiras,que decidiu apresentar uma lista B, "de renovação", para garantir à fileira o direito à escolha, em nome da democracia.

Foi a primeira vez, em 42 anos de história da APICCAPS, que houve duas listas candidatas à presidência da associação e o resultado final foi uma participação recorde, superior a 80%, com uma diferença de apenas 41 votos num total de 1.700, de acordo com um critério em que as empresas têm números de votos diferentes em função das quotas que pagam, o que remete para os respetivos postos de trabalho.

Logo a seguir, num sinal de que o sector poderá estar pronto a falar de novo a uma só voz depois de hoje, Onofre e Sérgio Cunha partilharam uma declaração comum em que destacam a prova "de maturidade" que a fileira deu. "O sector do calçado deu um exemplo de pluralismo e democracia", afirmam os dois empresários, sublinhando a taxa de participação dos seus colegas nesta corrida.

Já com seis anos de experiência na direção da APICCAPS, ao lado de Fortunato Frederico, Onofre lidera uma lista com empresários de diferentes idades e diferentes regiões que representam os três segmentos da fileira - calçado, artigos de pele e componentes - cruzando a nova geração de famílias ligadas ao calçado e empreendedores que se renderam recentemente ao universo dos sapatos e criaram projetos de raiz. E, como é de Oliveira de Azeméis, todos os concelhos com peso nesta indústria passam a ter um presidente na história da APICCAPS.

Quando indigitou Luís Onofre, a direção da APICCAPS apresentou-o como "a escolha natural", por ser "uma referência de bom gosto, sofisticação, design, qualidade e valorização de produto, em linha com o que foi definido no plano estratégico do calçado para os próximos anos", sublinhando, também, que o empresário , à frente de um grupo com um volume de negócios na ordem dos 8 milhões de euros, "é uma referência do sector" e tem capacidade de mobilização entre os jovens, um trunfo fundamental numa indústria apostada em atrair uma nova geração de talentos".