Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Aldeias que já foram desertas estão entre as melhores de Portugal

A aldeia da Cerdeira, na Lousã, destaca-se hoje por reunir artistas de todo o mundo e pela produção de arte 'craft'

josé caria

Cerdeira, na Lousã, ou Casal de São Simão, em Figueiró dos Vinhos, eram aldeias desertas e estão em segunda vida depois de recuperadas, figurando agora entre os 49 pré-finalistas do concurso 7 Maravilhas das Aldeias de Portugal em 2017

Conceição Antunes

Conceição Antunes

texto

Jornalista

José Caria

José Caria

fotos

Fotojornalista

As aldeias vão estar na ribalta em 2017, ano em que dão mote ao concurso 7 Maravilhas de Portugal. Das 446 candidaturas iniciais já foram anunciadas as 49 aldeias pré-finalistas ao concurso, numa cerimónia oficial que decorreu a 7 de abril na Aldeia da Pena. As aldeias vão ser agora votadas pelos portugueses, que terão de escolher as melhores sete em cada uma das sete categorias definidas (ver lista em baixo) sendo as vencedoras reveladas numa gala que decorre a 20 de agosto.

Nesta eleição das melhores aldeias portuguesas, destaca-se o facto de terem passado para a 'short list' algumas que já estiveram desertas e ao abandono. É o caso da Aldeia de São Simão em Figueiró dos Vinhos ou da aldeia da Cerdeira na Lousã, que foram reabilitadas no âmbito do projeto da rede de Aldeias do Xisto, geridas pela associação público-privada AdxTur.

As peças 'craft' que hoje marcam a Cerdeira vão estar em exposição em Lisboa a 22 de abril no Mude - Museu do Design e da Moda

As peças 'craft' que hoje marcam a Cerdeira vão estar em exposição em Lisboa a 22 de abril no Mude - Museu do Design e da Moda

josé caria

A Cerdeira, na Lousã, é hoje conhecida pela arte 'craft' - peças em cerâmica feitas por artistas no forno sem fumo construído na aldeia, e que também podem ser feitas pelos próprios turistas. O 'craft' da Cerdeira tem sido promovido a nível internacional, em feiras em França ou na Alemanha, e vai estar em exposição a 22 de abril em Lisboa no Mude - Museu do Design e da Moda.

Outrora deserta, a aldeia da Lousã ganhou uma segunda vida com o Cerdeira Village - Art & Craft, um projeto turístico que inclui residências em que artistas dos vários cantos do mundo vêm por temporadas produzir as suas obras.

Este movimento foi iniciado pela artista alemã Kerstin Thomas, que veio para a aldeia há mais de vinte anos e ia convidando amigos artistas, nacionais e estrangeiros para irem lá produzir arte em conjunto e fazer exposições coletivas. À iniciativa de Kerstin acabou por se juntar o empresário José Serra e a mulher Natália, que procuravam na aldeia uma casa para recuperar, e acabaram por dar 'alma' ao projeto Cerdeira Village - que além de alojamentos turísticos em casas de xisto ('intervencionadas' por artistas) também integra oficinas e ateliês de trabalho para produção do 'craft', a Casa das Artes, um café, loja e biblioteca.

“Decidimos dar uma vida nova à aldeia e restaurar o seu património. Mas para isso é preciso gerar alguma atividade, e decidimos tornar a aldeia num centro de atração de pessoas criativas”, adianta José Serra.

A artista Kerstin Thomas concorda que “faz todo o sentido porque este é um sítio muito inspirador e os artistas sentem-se bem aqui a criar as suas obras”.

Nas residências artísticas da Cerdeira já passaram “dezenas e dezenas de artistas, que normalmente vêm por duas semanas e acabam por ficar três meses”. Este ano já lá estiveram artistas de Austrália, Coreia do Sul, Alemanha, Finlândia e Suécia.

Ao longo do ano há uma série de workshops programados, em que as pessoas ali alojadas podem ter cursos que vão desde cerâmica, fazer casas de xisto em miniatura ou mobílias em madeira, além de fotografia de natureza, entre outros (o próximo workshop é de azulejaria, a 29 e 30 de abril).

Mas o 'ex-libris' da Cerdeira é o evento anual Elementos à Solta, que junta artistas internacionais e fazem da aldeia “uma galeria de arte ao ar livre, com peças espalhadas pelos muros e as escadas”. Segundo José Serra, “quisémos que isto fosse um projeto a sério, dar o toque e transformar isto no negócio, para não ser só um projeto utópico em termos artísticos”.

Os 'reabilitadores' da aldeia com o projeto Cerdeira Village: o casal José Serra e Natália e a artista alemã Kerstin Thomas

Os 'reabilitadores' da aldeia com o projeto Cerdeira Village: o casal José Serra e Natália e a artista alemã Kerstin Thomas

josé caria

O Centro de Portugal é a região do país com maior número de aldeias selecionadas como pré-finalistas ao concurso 7 Maravilhas, tendo 14 aldeias candidatas. Segue-se o Alentejo e Ribatejo com 9 aldeias candidatas, o Norte de Portugal com 8 aldeias, Açores e Algarve com 6 aldeias cada, a Madeira com 4 e Lisboa e Vale do Tejo com 2 aldeias.

“Nestas 49 pré finalistas estão contempladas as mais emblemáticas aldeias portuguesas, destacando-se o equilíbrio da sua distribuição geográfica, ocupando todo o território nacional e retratando a sua enorme diversidade”, faz notar Luís Segadães, presidente das 7 Maravilhas. “Quando chegarmos à votação pública, antevemos uma competição aguerrida”.

Painel de Especialistas foi auditada pela PwC, que assegura a idoneidade de todo o processo de votação.