Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Novo site reúne informação para quem quer investir nos PALOP

“Access Africa” vai reunir as notícias mais relevantes sobre cada um dos países (Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe) e informações gerais como a sua situação política ou legislação

A Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD) lança esta sexta-feira um site com informação para quem pretenda investir nos cinco países africanos de expressão portuguesa (PALOP).

Com o nome “Access Africa”, a fundação garante que o novo site “é o mais completo portal de acesso aos cinco países africanos de língua portuguesa, com todas as informações para quem pretenda investir e todas as notícias mais relevantes sobre cada um deles.”

O portal agregador de informação, que pode ser encontrado no endereço www.accessafrica.flad.pt, vai reunir as notícias mais relevantes sobre cada um dos países (Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe) e informações gerais como a sua situação política ou legislação.

“O Access África dirige-se a qualquer cidadão que pretenda conhecer a realidade [destes países], acedendo num só portal a informações tão diversas como a moeda de cada um, o valor cambial, como abrir uma pequena ou média empresa, o sistema de Governo, a realidade social, económica, política, empresarial, mas também universitária, cultural, etc.”, explicou à Lusa o diretor da FLAD, Bruno Ventura

O portal inclui informações práticas sobre como abrir uma empresa, indicando, por exemplo, quais as instituições a que o interessado tem de se dirigir, os benefícios fiscais a que poderá aceder, as instituições públicas a envolvidas e os respetivos contatos.

O novo site faz parte do programa FLAD Africa, que inclui iniciativas como o Prémio Literário Eduardo Costley-White, um programa de bolsas e parcerias com outras organizacões não governamentais.

Bruno Ventura diz ainda que a plataforma "pretende ser, sobretudo, um espaço de cidadania de referência para a comunidade lusófona."

“Por isso, serão convidados para escrever figuras e personalidades de reconhecido valor, das mais diversas áreas, da cultura à economia, da política à diplomacia, da universidade às empresas. Teremos a honra de contribuir para a difusão das ideias de quem fala e escreve em português”, explica o diretor da FLAD.