Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

BCE recusa mudanças prematuras

ARMANDO BABANI / EPA

A sinalização de uma alteração da política monetária do Banco Central Europeu provocaria um impacto negativo nas taxas de juro no mercado, sublinham as atas da última reunião realizada a 8 e 9 de março, e divulgadas esta quinta-feira

Jorge Nascimento Rodrigues

A maioria do conselho do Banco Central Europeu (BCE) mantém a estratégia que tem seguido, de “paciência”, e de continuação da política monetária expansionista, mesmo que o ritmo mensal de aquisições de ativos tenha sido cortado em 25% a partir de abril e ainda que os temores de deflação estejam afastados.

Uma sinalização de mudança de orientação (expansionista) “poderia levar a uma indesejável alteração altista nas taxas de juro no mercado e a um aperto das condições financeiras”, sublinha-se no texto das atas da última reunião de 8 e 9 de março, divulgado esta quinta-feira.

As atas referem que seria “prematuro” remover o quadro atual de política monetária. Os riscos deflacionistas desapareceram, há um processo de reflação em curso (ainda que insuficiente e muito marcado pela volatilidade dos preços da energia), mas permanece um grau de incerteza, sobretudo no plano da economia global, em que a política da nova Administração Trump nos Estados Unidos e o desenrolar do processo do Brexit são incógnitas. Outro fator externo de incerteza é o processo de ajustamento de modelo económico na China.

Do lado positivo, o conselho do BCE registou que “há 11 trimestres consecutivos que o crescimento em cadeia – de um trimestre para outro – se mantém acima do crescimento potencial”.

O conteúdo das atas vem no mesmo sentido das palavras esta quinta-feira de manhã proferidas pelo presidente do BCE, Mario Draghi, em Frankfurt na Conferência que reuniu o BCE e os seus observadores: a estratégia não vai ser alterada. Na ocasião, Draghi sublinhou que “os efeitos negativos da taxa negativa de remuneração dos depósitos dos bancos [em -0,4%] são limitados até agora”, respondendo a um dos pontos mais especulados ultimamente, de que o BCE poderia começar por subir essas taxas ainda este ano.