Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Depósitos de banco angolano em Portugal crescem mais de 5000%

A estratégia do Banco de Negócios Internacional (BNI) assenta nas plataformas digitais e o seu número de colaboradores no nosso país não ultrapassa os 43

O banco angolano BNI Europa divulgou esta quarta-feira que terá apresentado a maior taxa de crescimento em Portugal, ao ver, por exemplo, a base de depósitos aumentar de 2015 para 2016 em quase 5.200%, para 262,2 milhões de euros.

De acordo com informação divulgada pela instituição financeira com sede em Lisboa, controlado pela casa mãe, o angolano BNI, o ano de 2016 “foi caracterizado pelo crescimento significativo da atividade do BNI Europa", que se traduziu "no incremento dos ativos em 263%”, que ascenderam a 362 milhões de euros.

Em contrapartida, o banco refere que a sua estratégia de negócio assenta nas “plataformas digitais”, admitindo que funcionam em Portugal com um “reduzido número de colaboradores”, que não ultrapassa os 43.

“Em face do crescimento verificado, resultado da orientação da atividade para o mercado Europeu e para nichos do mercado em Portugal, apostando na inovação e diferenciação, o banco BNI Europa terá sido, provavelmente, o banco com maior taxa de crescimento em Portugal no ano de 2016”, refere uma nota do BNI, sobre os resultados do último ano.

O braço português do BNI, criado em 2014, consolidou a atividade com os depósitos a prazo e prevê lançar em 2017 a conta à ordem para empresas e outros produtos de crédito ao consumo, ocupando ainda “segmentos que não estão a ser atendidos pelos demais operadores financeiros do mercado”.

O BNI Europa viu ainda o produto bancário crescer 318% em 2016, para 2,7 milhões de euros.
O banco de capitais angolanos foi visado em 2016 pela eurodeputada socialista Ana Gomes, que divulgou ter denunciado à Procuradoria-Geral da República e às instâncias europeias o alegado branqueamento de capitais e financiamento de atividades criminosas pelo BNI Europa.