Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

É oficial: recapitalização da CGD está concluída

Luís Barra

O Ministério das Finanças acaba de anunciar que a recapitalização da Caixa está concluída com a entrada de €2,5 mil milhões de dinheiro fresco

O processo de recapitalização do banco público está fechado, o passo seguinte será a reestruturação do banco atendendo aos remédios que Bruxelas aplicou para que este reforço não fosse considerado ajuda de Estado.

Num comunicado das Finanças pode ler-se que se conclui esta quinta-feira a segunda fase de recapitalização do banco público através da entrada de dinheiro fresco por parte do Estado de €2,5 mil milhões.

Um dossier que decorre de um acordo que se iniciou em agosto de 2016 celebrado entre a Comissão Europeia e o Estado português no âmbito de um compromisso de reestruração profunda do banco público, implicando o fecho de 180 agências, e a saída de 2200 trabalhadores até 2020, assim como a venda de operações no exterior. Tudo para que a recapitalização seja feita em condições de mercado, "não constituindo", por isso "auxílio de Estado".

O Ministério das Finanças recorda os passos desta processo que numa primeira fase passou pela realização de "um aumento de capital em espécie no montante de aproximadamente 1 445 milhões de euros, subscrito e realizado integralmente pelo acionista Estado Português, pela entrega de 945 milhões de euros respeitantes a obrigações subordinadas de conversão contingente (Instrumentos de Capital Core Tier 1) e respetivos juros, e cerca de 500 milhões de euros, mediante a entrega de ações da Parcaixa".

Na segunda fase da recapitalização que agora se concluiu o Estado português injectou €2,5 mil milhões no capital do banco presidido por Paulo Macedo. Paralelamente a CGD colocou "junto de investidores institucionais privados, instrumentos de dívida subordinada de categoria Additional Tier 1, num montante de 500 milhões de euros".

As Finanças sublinham que esta entrada de dinheiro "assenta num plano de negócio que garante a sua competitividade e a sua rentabilidade de longo-prazo, bem como a modernização da sua estrutura comercial e do reforço do seu modelo de governação". Reforçando ainda que o plano de negócios que será implementado pela equipa de Paulo Macedo "perspetiva um retorno adequado para o acionista Estado".

As Finanças destacam ainda que concluido este passo, " Portugal fica com o seu principal banco em condições sólidas, assim contribuindo para o fortalecimento do sistema financeiro do país e para a dinamização da economia portuguesa".