Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Novo Banco vai mesmo ser vendido por “zero”

Tiago Miranda

O Fundo de Resolução vai vender 75% do Novo Banco por um valor simbólico em troca de uma recapitalização. Encaixe para o Estado só se e quando forem vendidos os outros 25%. Isto se entretanto não for necessário mais capital

Zero. É quanto a Lone Star vai pagar por 75% do Novo Banco. O acordo com o fundo americano prevê agora um pagamento simbólico e o compromisso de recapitalizar o ex-BES em mil milhões, uma parte agora (€750 milhões), outra até 2020 (€250 milhões).

Em contrapartida, o Fundo de Resolução (FdR) (que deverá continuar a ser a entidade que fica a gerir este processo) mantém uma posição de 25% no Novo Banco. Se e quando a quiser alienar será o fundo a encaixar o valor dessa venda, abatendo aos €4,9 mil milhões que foram injetados no Novo Banco aquando da resolução em agosto de 2014.

Só nesse altura haverá uma compensação do FdR. Isto se entretanto não for necessário mais capital além dos mil milhões previstos. O acordo firmado estipula que esta posição não se dilui neste aumento de capital. Se for necessário injetar mais dinheiro, além do que está comprometido com a Lone Star, não pode ser o FdR a fazê-lo (uma revindicação do setor financeiro e uma limitação que decorre da própria resolução bancária). Nesse caso o FdR tem três opções. Ou reduz a participação no capital, ou transmite parte ou total dos 25% a uma entidade pública que possa injetar mais dinheiro, ou juntamente com a Lone Star vende a privados essa participação através da bolsa.

O negócio está a ser ultimado para que possa ser assinado até ao final desta semana, tal como adiantou o ministro das Finanças, Mário Centeno. A vasta equipa da Lone Star está em permanência há várias semanas em Lisboa em constantes reuniões no Banco de Portugal.

Ao que o Expresso apurou não há um prazo para que o FdR venda os 25% que mantém no Novo Banco. E deverá ser esta entidade, segundo informações recolhidas, que continuará a ser accionista do ex-BES, ou seja, não há para já transição para o Tesouro ou qualquer outra entidade pública.