Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Lisnave distribui 1,2 milhões de euros pelos trabalhadores

António Pedro Ferreira

Os estaleiros da Lisnave registaram uma queda de lucros em 2016, mas mantêm o pagamento de uma gratificação aos trabalhadores

O volume de vendas dos estaleiros da Lisnave caiu de €113,2 milhões em 2015 para os €95,7 milhões em 2016, o que se traduziu, respetivamente, na descida dos lucros de €13,6 milhões para €6,7 milhões, revelou ao Expresso uma fonte da empresa. Neste enquadramento, a Lisnave vai distribuir aos trabalhadores uma gratificação de €1,2 milhões, refere a mesma fonte.

O dividendo a distribuir aos cerca de 200 acionistas da Lisnave será de €6,7 milhões, o que representa o valor global dos resultados líquidos obtidos pela empresa em 2016.

O mercado internacional da reparação naval tornou-se mais dífícil em 2016, pois a margem relativa às obras contratadas reduziu-se face aos níveis praticados em anos anteriores, o que se traduz em geral, segundo fontes do sector, em volumes de vendas inferiores.

O sector da reparação naval foi afetado em 2016 pela redução do valor dos fretes de transporte marítimo, que desceram pressionados pelo aumento da oferta mundial de navios que asseguram serviços de transporte.

No entanto, as reparações efetuadas pela Lisnave - com 67 navios reparados, o que corresponde a um número de reparações inferior ao de anos anteriores - tiveram um nível de complexidade superior, o que traduziu em empreitadas com valores superiores aos habitualmente praticados.

Os 67 navios reparados em 2016 na Lisnave pertencem a 39 diferentes clientes, oriundos de17 países, explica a Lisnave. Liderando o maior número de navios docados na Lisnave, encontra-se a a Grécia, com 12 navios, seguida por Singapura com 11 navios, a Noruega com oito e a Alemanha com seis. O estaleiro reparou apenas um navio de bandeira portuguesa.

O principal segmento de mercado da Lisnave é o dos petroleiros, onde o estaleiro do Sado é líder europeu - com 51 navios petroleiros docados em 2016 -, seguido pelos porta-contentores (com seis navios).

Entre os seus clientes, a Teekay liderou as encomendas de reparações em 2016, originadas nos seus escritórios de Singapura, Brasil e Noruega. Segue-se a Tsakos Columbia Shipmanagment da Grécia, a American Eagle Tankers, de Singapura, e a venezuelana PDV Marina.