Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Faltam casas 
para arrendamento 
em todo o país 

Não é só em Lisboa e no Porto que a procura pelo arrendamento é muito superior à oferta. Em Évora há cada vez menos stock neste mercado com impactos diretos nos preços praticados

Nuno Fox

Em várias cidades do país, arrendar uma habitação 
é hoje uma tarefa complicada. Rendas médias nacionais subiram 3,7%

HELENA C. PERALTA

Portugal tem, histórica e culturalmente, uma forte propensão para a aquisição de habitação própria, o que nos torna, segundo dados da consultora CBRE, divulgados no ano passado, o segundo país do mundo com a maior taxa de proprietários de imóveis, que atinge praticamente os 75%, só sendo ultrapassado pela vizinha Espanha.

Ora, como alerta Ricardo Sousa, presidente da rede Century 21 Portugal, isto levanta uma questão muito complicada no mercado imobiliário, pois as novas gerações têm mais propensão para a mobilidade e preferem arrendar, ao contrário dos seus pais e avós. “Há um sério problema de oferta de casas para arrendamento, que é transversal a todo o país, mas que afeta sobretudo as zonas urbanas, onde existam centros universitários ou hospitalares e onde a procura é largamente superior à oferta”, refere Ricardo Sousa.

Rosalva Fonseca, da rede Dom Senhorio, diz mesmo que grande parte dos imóveis para arrendamento — sobretudo em Lisboa — nem chegam a ser publicitados pelas agências (nos casos que envolvem profissionais do sector) pois quando aparecem já há uma lista de interessados que pode muito bem chegar aos 50 ou 60.

Miguel Poisson, diretor-geral da ERA Portugal, confirma esta tendência e explica que esta crescente procura se iniciou sobretudo a partir de 2014, por um lado devido à dificuldade — que já vinha sentindo desde 2008 —, em conseguir crédito à habitação, e por outro lado devido à oferta turística proporcionada pelo fenómeno do ‘alojamento local’. “Quanto maior o interesse dos investidores em alojamento local, mais difícil se torna arrendar casa para habitação permanente.

Um T2 em Lisboa que se arrendava normalmente por €800 ao mês, está agora nos €1200, sobretudo se o contrato de arrendamento tiver uma cláusula que autorize o subarrendamento”, revela. Daí que a oferta para arrendamento tradicional seja cada vez mais escassa.

Escassa e, sobretudo, desajustada às reais necessidades do mercado. Ricardo Sousa explica que “na área metropolitana do Porto, apenas 6% da oferta de imóveis é para arrendamento até €500, o segmento onde se centra a maior procura. Na área metropolitana de Lisboa apenas 10% da oferta é para soluções de arrendamento até €600, faixa onde se concentra também a maior procura. No Algarve, apenas 2% da oferta é para arrendamento residencial até €500, fatia onde a procura é mais elevada”.

Beatriz Rubio, presidente da REmax, afirma que apesar de Porto e Lisboa continuarem a ser as mais procuradas, no que toca ao arrendamento, há ainda cidades com uma procura maior devido ao facto de terem uma componente educativa muito grande. E “este é outro tipo de negócio que tem valores completamente diferenciados do mercado de arrendamento global: um quarto em Lisboa pode custar €500 por mês, o mesmo valor com que se consegue arrendar um apartamento T2 na linha de Sintra.

Por exemplo, na zona do Parque das Nações, onde neste momento é muito difícil arranjar um apartamento para arrendar, um T2 pode custar entre €1250 e €1400, enquanto um T3 poderá situar-se nos €1800 mensais. Basta subir um pouco a rua, e nos Olivais, um T2, por exemplo, baixa para menos de €1000”, refere. Mais do que falar em cidades, esta responsável refere que cada vez mais há zonas dentro das mesmas com realidades bem diferenciadas.

Porém, este fenómeno não é exclusivo de grandes cidades turísticas ou universitárias, como Lisboa e Porto, verificando-se até que quanto mais interior a localidade mais dificuldade há em arrendar casa. No Fundão, por exemplo, região onde o crescimento do investimento está a atrair mais população, praticamente não há oferta de habitação para arrendamento. Cidades como Évora, Aveiro, Coimbra, Braga, Leiria, Santarém, Faro, Portimão, Albufeira, entre outras identificadas pelos vários especialistas de mercado contactados, registam dificuldade em responder a todas as solicitações.

Preços a subir em todo o lado

Patrícia Santos, da KW Business, sedeada em Braga, explica que nesta cidade ainda existe alguma oferta de arrendamento, no entanto, a grande maioria são imóveis mais velhos. “Braga é das cidades mais baratas para a aquisição logo as prestações dos financiamentos ficam bastante mais em conta do que os valores de arrendamento pelo que ainda há uma preferência muito elevada pela compra”, refere.

Isso explica que os valores das rendas subam consideravelmente devido à escassez de oferta: um T3 poderá variar entre €300 e €450, este último valor se estivermos a falar de zonas mais nobres como Fraião, Pachancho ou Nogueira. Tratando-se de imóveis mais recentes, as rendas poderão subir até aos €650 mensais.

Outro fenómeno nesta cidade, segundo esta especialista, é “o aumento de investidores para aquisição de imóveis destinados ao arrendamento e de prédios no centro para transformar em hostels ou arrendamento de curta duração, dado que Braga tem assistido a um considerável aumento do turismo”. Já em Guimarães, a poucos quilómetros, a oferta é substancialmente mais baixa e os valores de renda bastante mais elevados do que em Braga.

Já no Algarve, Albufeira e Armação de Pera são dois locais de difícil arrendamento ao ano, devido à sazonalidade característica dessa região. “Nessas zonas, um T1 pode custar cerca de €350 mensais e um T2 cerca de €450. Em Portimão, por exemplo, onde temos uma agência REMAX Platina, um imóvel na zona nobre da cidade poderá ter um preço de mercado quase o dobro de outro imóvel com as mesmas características, mas em outra zona”, refere Beatriz Rubio, que insiste que mais do que preços médios por cidade, há diferentes valores em bairros distintas.

Segundo os dados do Confidencial Imobiliário, esta falta de oferta tem levado a que os preços se mantenham em trajetória ascendente nos últimos dois anos: em Lisboa, por exemplo, as rendas médias subiram 11% no segundo trimestre de 2015, 8,4% no terceiro e 8,9% no último.

No primeiro trimestre de 2016, estes valores cresceram 12,1%. Já no que diz respeito à média nacional estes crescimentos não foram tão significativos, tendo, por exemplo, o primeiro trimestre de 2016 ficado pelos 3,7%.