Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Quatro mil ofertas de emprego numa só feira

Os alunos das escolas de turismo são um dos alvos da Bolsa de Empregabilidade da BTL. 
As ofertas não são só para emprego sazonal mas para cargos efetivos

Marcos Borga

Em vias de abrir novos hotéis ou outras unidades, os grupos turísticos portugueses estão em fase empregadora. A prova está nas quatro mil ofertas de emprego disponíveis na Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), a feira de turismo que este fim de semana está aberta ao público na FIL.

Mais de duas dezenas de empresas, ligadas a hotéis, viagens, transporte aéreo ou animação, vão aproveitar a BTL para recrutar trabalhadores, em muitos casos às centenas. “As ofertas disponíveis são de vários tipos, não só de trabalho sazonal mas na sua maioria de contratos para preencher vagas nas empresas em diversas áreas operacionais”, adianta António Marto, secretário-geral da Associação Fórum Turismo 2.1, que promove pela segunda vez a Bolsa de Empregabilidade na BTL — que nesta edição deu um salto quântico, atingindo quatro mil ofertas de emprego. “As unidades hoteleiras estão sempre a contratar, e com mais aberturas previstas também aproveitam para recrutar aqui.” A iniciativa começou a 17 de março para profissionais e prolonga-se pelo dia de sábado já com a BTL aberta ao público.

O grupo Pestana apresentou-se na BTL com 260 ofertas de emprego, no dia a seguir a finalizar um roadshow de recrutamento com vista “ao preenchimento de 300 vagas em aberto, além de inúmeros estágios” nos seus hotéis e pousadas espalhados pelo país, desde Algarve, Alentejo e Lisboa até ao centro e norte do país, além da Madeira. Profissionais de cozinha, housekeeping (limpeza de quartos), restaurante, bar e pastelaria são os mais procurados pelo grupo Pestana.

Vila Galé com 300 vagas

A Vila Galé tem 300 vagas, que quer preencher nesta Bolsa de Empregabilidade, “para todas as funções operacionais, como receção, cozinha, restaurante e bar, andares ou assistentes de direção”, revela Joana Ferreira, do Departamento de Recursos Humanos do grupo. “Tendo em conta que vamos entrar em época alta, naturalmente muitas das vagas são para os hotéis do Algarve. Mas também temos várias vagas para os hotéis em Lisboa e vamos dar grande enfoque à abertura do novo hotel no Porto [Vila Galé Porto Ribeira], prevista para setembro.”

Com seis novos hotéis a caminho, a Vila Galé considera significativo o facto de se apresentar como empregadora “na maior feira do turismo nacional, onde é expectável que grande parte dos candidatos tenham formação e experiência em hotelaria”. Joana Ferreira acredita que “o retorno do recrutamento nesta Bolsa de Empregabilidade será muito positivo, e já verificámos isso no ano passado em apenas um dia de feira. O facto de este ano ter sido alargada para dois dias irá certamente superar os resultados de 2016”.

Do lado da SANA Hotels, vão chegar 100 ofertas de emprego à BTL, “para vários projetos do grupo em diversas localizações” e com vista a preencher postos como supervisor de banquetes, chefe e subchefe de sala, cozinheiro e pasteleiro de primeira categoria, chefes de bar, de cafetaria ou de copa, além de barman ou empregado de mesa.

Também a Hoti (que esta semana inaugurou o segundo hotel junto ao aeroporto da Portela, o Star Inn Lisboa) identificou 35 postos de trabalho para apresentar na BTL. “Não são só lugares sazonais, precisamos de pessoas para cargos que estão em falta e vamos tentar suprir”, adianta Isabel Glória, diretora de Recursos Humanos da Hoti. “Precisamos de responsáveis de cozinha (que não são empregados de mesa) para hotéis nossos em Lisboa, Leiria ou Porto, um chefe de sala, rececionistas para Lisboa, Porto e Castelo Branco, além de um night auditor (rececionista que trabalha à noite)”, exemplifica. “Mas como vamos abrir em junho o Hotel da Costa da Caparica, também teremos necessidade de cargos mais para a estação alta, como piscineiros ou pessoal para o bar de praia.”

Onda empregadora 
estende-se aos hostels

Recrutar gente para o hostel que vai abrir nas caves da Sandeman em Gaia já no final do ano é a primeira prioridade do grupo The Independente Collective ao levar 45 vagas à BTL — além de estar ainda empregador em Lisboa. “Não tendo a escala de grupos hoteleiros, precisamos de cozinheiros, chefes de sala, barmen ou pessoas na receção”, destaca Duarte d’Eça Leal, um dos proprietários do grupo, que já contratou pessoas na Bolsa de Empregabilidade no ano passado, “que foi uma experiência fantástica”.

Enfatizando “o pendor de estudantes das escolas de turismo a visitar a BTL”, Duarte d’Eça Leal considera ser um passo à frente “no processo de recrutamento, em que as entrevistas não são em ambiente intimidatório mas, ao contrário, numa feira de turismo, com as pessoas descontraídas”.