Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Empresas turísticas vão contar com €75 milhões dos bancos em condições especiais

Turismo de Portugal reforçou para 2017 a parceria com doze bancos com vista a apoiar “projetos distintivos”. Financiamento pode ascender a 75% do investimento

As empresas de turismo vão poder continuar a aceder ao financiamento da “Linha de Apoio à Qualificação da Oferta”, que para 2017 foi dotada com mais 75 milhões de euros, na sequência do protocolo selado hoje, a 17 de março, entre o Turismo de Portugal, doze instituições bancárias e a sociedade pública de capital de risco Portugal Ventures. Esta linha visa disponibilizar às empresas turísticas acesso a financiamento em condições especiais.

Em 2016, no âmbito da Linha de Apoio à Qualificação da Oferta, foram aprovados 83 projetos, com um valor de investimento associado de 133 milhões de euros e um financiamento aprovado de 65 milhões de euros. Ficaram ainda em análise 28 projetos, com um investimento associado de cerca de 32 milhões de euros, o que significa que foi ultrapassado o orçamento previsto. Segundo o Turismo de Portugal, face ao "excelente desempenho da linha e do forte impulso que a mesma provocou no investimento", decidiu-se proceder em 2017 ao seu reforço em mais 75 milhões de euros.

Com a renovação da Linha de Apoio à Qualificação da Oferta pretende-se reforçar a parceria existente entre o Turismo de Portugal e o mercado financeiro, tendo em vista assegurar às empresas turísticas condições para o acesso das mesmas a financiamento em condições de prazo e de preço adequadas às suas necessidades, sobretudo de médio e de longo prazo, melhorando o seu relacionamento com o mercado financeiro.

“Ambicionamos que esta linha de crédito volte a privilegiar os projetos que, pelas suas caraterísticas, contribuam para a dinamização turística dos centros urbanos, privilegiem a fruição do nosso património cultural edificado e a reabilitação urbana, se traduzam em novos negócios turísticos, nomeadamente na área da animação turística, sejam energética e ambientalmente sustentáveis, e contribuam para a permanência média do turista e para a redução da sazonalidade", adianta Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal.

A nova linha tem uma componente de capital de risco, caso as empresas o solicitem. Celso Guedes de Carvalho, CEO da Portugal Ventures, sublinha que “a parceria hoje estabelecida vai permitir que as empresas tenham acesso a capital de risco, numa altura em que o aumento exponencial do turismo em Portugal cria oportunidades de crescimento e impulsiona o nascimento de novos negócios”.

“As empresas vão poder beneficiar da experiência e rede de contactos da Portugal Ventures, que tem no seu portefólio 19 empresas do sector do turismo. Iremos contribuir com capital até 35% do valor do investimento e acompanharemos os projetos promovendo, nomeadamente, sinergias entre empresas do seu portefólio”, salienta ainda o responsável da Portugal Ventures.

O financiamento global pode ascender a 75% do valor do investimento, com a possibilidade de um prazo máximo de reembolso de 15 anos, incluíndo quatro anos de carência, sendo, em regra, tal financiamento assumido em 60% pelo Turismo de Portugal e em 40% pelo banco (em casos especiais, como projetos de empreendedorismo, a participação do Turismo de Portugal no financiamento é de 75%, cabendo ao banco assumir 25% do financiamento). A componente do Turismo de Portugal no financiamento não vence qualquer juro, regra geral, enquanto a componente de financiamento do banco vence o juro acordado com a empresa.