Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

“Gostaríamos de encontrar mais oportunidades de investimento”

Guo Guangchang, Fundador e chairman da Fosun

Luis Barra

Se não fosse o aparato da corte que o segue quase para todo o lado, nada diria que tinha entrado numa das salas das instalações da Fidelidade, no Largo do Calhariz, em Lisboa, um dos homens mais ricos da China. Guo Guangchang exala simpatia e disponibilidade, deixando para quem o acompanha a árdua tarefa de o proteger de uma fotografia mais incómoda, de uma pergunta inconveniente e até do pouco tempo disponível para este encontro. O que a juntar à barreira da língua tornaram a conversa entre o Expresso e o líder da Fosun um difícil exercício de obter a maior quantidade possível de informação sobre quem, em pouco mais de dois anos, comprou a maior seguradora portuguesa, a Fidelidade, uma das empresas mais conhecidas na prestação de serviços de saúde, a Luz Saúde, e se tornou o acionista maioritário do maior banco privado português, o BCP. E Guo não vai parar por aqui. Tal como todos os estrangeiros que investem em Portugal tem a lição estudada. “Adoro Portugal” é das primeiras coisas que insiste em dizer.

“Quando todos ficam excitados, nós ficamos mais cautelosos.” A frase é sua. Em que fase está agora?

(Risos) Estou sempre no meio, entre cauteloso e animado. Os seres humanos são gananciosos mas ao mesmo tempo têm medo. Estamos sempre à procura do equilíbrio entre a ganância e o medo. Hoje, na economia mundial, há muitas incertezas e no ano passado houve muitos ‘cisnes negros’. Mas por outro lado, existem muitas oportunidades. Por isso, estamos à procura das nossas oportunidades neste equilíbrio.

E em relação a Portugal? Em que fase está agora?

Adoro Portugal (gargalhadas). O futebol, a comida, o clima, as pessoas... No início do nosso investimento estávamos cautelosos e preocupados, porque foi no período em que a economia portuguesa estava em baixo. Mas depois de conhecermos melhor Portugal, o povo e a economia, acho que estamos confiantes com este país. E Portugal transmite-me estabilidade. A política é bem estável, mesmo depois da mudança do Governo. As políticas mantêm-se estáveis. O povo português também é muito simpático para os investidores e é um povo trabalhador. Por isso, estou otimista com a economia portuguesa.

É por isso que investiu tanto em Portugal?

É por isso que depois de investir na Fidelidade, investimos na Luz Saúde. Agora também investimos no BCP. Estamos também a promover o Club Med a investir mais cá. Em hotéis, por exemplo.

Leia mais na edição deste fim de semana