Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Portugal vai hoje ao mercado da dívida para colocar até €1250 milhões

Em janeiro, a agência que gere a dívida pública, liderada por Cristina Casalinho, anunciou que espera emitir entre 14.000 milhões a 16.000 milhões de euros em Obrigações do Tesouro ao longo deste ano através de emissões mensais

Portugal vai realizar hoje dois leilões de Obrigações do Tesouro (OT) a cerca de três e nove anos, com um montante indicativo global entre 1.000 e 1.250 milhões de euros.

As OT têm maturidades em 15 de junho de 2020 e em 21 de julho de 2026, naquele que será o terceiro leilão de OT este ano.

Em 08 de fevereiro último, Portugal colocou 1.180 milhões de euros em OT a cinco e a sete anos a taxas de juro superiores em ambos os prazos em relação aos anteriores leilões comparáveis.

A cinco anos foram então colocados 630 milhões de euros em OT, com maturidade em 17 de outubro de 2022, à taxa de juro de 2,753%, mais elevada do que a registada em novembro, quando foram colocados 700 milhões de euros a uma taxa de 2,1%.

Nas OT a sete anos, com maturidade em 15 de fevereiro de 2024, o IGCP colocou 550 milhões de euros a uma taxa de juro de 3,668%, também superior à do anterior leilão comparável, realizado em setembro de 2016, altura em que foram colocados 500 milhões de euros a 2,817%.

A procura de OT a cinco anos atingiu 946 milhões de euros, 1,5 vezes superior ao montante colocado, e a de OT a sete anos cifrou-se em 1.111 milhões de euros, 2,02 vezes superior ao montante colocado.

Esta foi a segunda vez que Portugal foi aos mercados para se financiar a longo prazo este ano, depois de, em 11 de janeiro, ter emitido 3.000 milhões de euros em dívida a 10 anos, através de sindicato bancário.

Em janeiro, a agência liderada por Cristina Casalinho anunciou que espera emitir entre 14.000 milhões a 16.000 milhões de euros em OT ao longo deste ano através de emissões mensais.

Em termos líquidos, a República portuguesa precisa de um financiamento de 12.500 milhões de euros para este ano, num valor que inclui 2.700 milhões euros de fundos associados à recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD), que já se encontram financiados.