Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Mora sai da Pharol e da Oi em nome da estabilidade

Rafael Mora apresentou esta terça-feira a demissão das funções de administrador da Pharol e da Oi. Fê-lo após uma grande pressão de um acionista braseiro, Nelson Tanure, que há meses queria afastá-lo

"Saio em nome da estabilidade da empresa e da minha família, ambas importantes para mim", disse ao Expresso, Rafael Mora, que apresentou esta quarta-feira a renúncia aos cargos de administrador da Pharol (ex-PT) e da Oi. Rafael Mora, ex-administrador da Ongoing, é o rosto mais visível dos acionistas portugueses da Pharol na Oi. A Pharol detém 27% da operadora brasileira.

Nelson Tanure entrou no capital da Oi em 2016, pouco antes da empresa avançar para um processo de recuperação judicial. Hoje, Tanure conhecido como um investidor agressivo que costuma entrar em empresas em situação frágil, é detentor de cerca de 8% da Oi e quase 10% da Pharol.

Desde o início que Tanure quis afastar os administradores portugueses da Oi, sendo Rafael Mora o seu principal alvo, também porque era quem mais lhe fazia frente. Tanure, conta a revista brasileira Piauí, terá mesmo tido um pequeno acto agressão para com Rafael Mora numa recente reunião do conselho de administração.

Já há alguns meses, conforme o Expresso noticiou, que Tanure andava a tentar convencer os grandes acionistas portugueses, o Novo Banco, o BCP e a Visabeira, a afastar Rafael Mora. O objetivo era propô-lo na assembleia geral de 26 de maio.