Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

TAP regressa aos lucros em 2016

PATRÍCIA DE MELO MOREIRA / AFP / Getty Images

Apesar da quebra registada nas receitas, a redução ainda mais expressiva dos custos operacionais permitiu alcançar um resultado de 34 milhões de euros

A companhia aérea TAP anunciou esta quarta-feira que regressou aos lucros em 2016, com um resultado de 34 milhões de euros, quando em 2015 tinha registado um prejuízo de 99 milhões de euros, penalizado pela retenção de capitais na Venezuela.

"O regresso da companhia aérea aos lucros foi possível, apesar de uma quebra nas receitas, que totalizaram 2.242 milhões de euros, 156 milhões abaixo dos 2.398 milhões [de euros] registados em 2015", adianta a TAP, em comunicado.

A companhia aérea liderada por Fernando Pinto adianta que "esta quebra [nas receitas], no entanto, foi fortemente compensada por uma redução ainda mais expressiva dos custos operacionais, que ficaram pelos 2.042 milhões [de euros], menos 227 milhões [de euros] que em 2015".

Na passada sexta-feira, a TAP anunciou que vai dar início a "um programa de redesenho da sua estrutura organizacional com o objetivo de obter ganhos de eficiência e agilidade", o que passará pela abertura de um programa de rescisões por mútuo acordo e, ao mesmo tempo, pela criação de cerca de 200 postos de trabalho.

Em comunicado, a TAP realça que "a capitalização realizada pelos novos acionistas [Humberto Pedrosa e David Neeleman] permitiu em 2016 "fortes investimentos na companhia", dos quais destaca a criação da TAP Express (marca que substituiu a Portugalia) e "a renovação total da frota regional, que passou de uma das mais antigas da Europa para a mais jovem a operar no continente europeu, o arranque da ponte aérea entre Lisboa e o Porto" ou ainda "o início da renovação dos interiores da frota Airbus".

A TAP destaca que 2016 "ficou ainda marcado pelo início do plano de grande expansão no mercado norte-americano", com a abertura das rotas de Boston e de Nova Iorque, aumentando também "as frequências semanais para Newark e Miami, mais do que duplicando a operação semanal da companhia aérea portuguesa" nos Estados Unidos.

A transportadora recorda que, no ano passado, lançou uma nova estrutura tarifária, "o que permitiu à companhia recuperar a sua quota de mercado".

"Depois de um primeiro semestre de reajuste da sua oferta e da manutenção do arrefecimento em alguns dos mais importantes mercados onde a TAP opera, o segundo semestre registou uma forte recuperação, que incluiu a obtenção de sucessivos recordes históricos no número de passageiros transportados nos meses de outubro, novembro e dezembro, tendência essa que já foi reforçada nos dois primeiros meses" de 2017, acrescenta.

A TAP transportou em 2016 "um número recorde de passageiros, 11,7 milhões de euros, mais 400 mil que em 2015. Isto, num ano em que a companhia reduziu em 3% a sua oferta de lugares", concluiu a empresa liderada por Fernando Pinto.

Em 2015, a companhia aérea tinha registado um prejuízo de 99 milhões de euros - um ano antes o resultado líquido tinha sido negativo em 46 milhões de euros -, que foi justificado pela necessidade de consolidar um montante de 91,4 milhões de euros referentes a vendas na Venezuela, valor que na altura não tinha sido transferido devido a diversas desvalorizações cambiais.

[Notícia acrescentada às 13h24]