Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Portugal continua com desequilíbrios macroeconómicos excessivos

JOHN THYS/ AFP/ Getty Images

O crédito malparado, o elevado nível da dívida pública e privada e as fragilidades no mercado de trabalho são problemas que Bruxelas continua a detetar na economia portuguesa. A Comissão Europeia mantém Portugal na segunda categoria mais grave de avaliação, mas para já está fora de qualquer procedimento corretivo

O relatório da Comissão Europeia (CE) sobre a avaliação dos progressos em termos de reformas, prevenção e correção de desequilíbrios macroeconómicos dos países da União Europeia (UE), divulgado esta quarta-feira, mantém Portugal no grupo dos países com desequilíbrios excessivos.

Sobre a situação económica portuguesa e a sua agenda de reformas, o documento sublinha a persistência de fragilidades estruturais. Bruxelas diz que a dívida privada até está a descer e que dívida pública estabilizou, mas considera que ambas são ainda altas.

"O grande stock de responsabilidades externas, de dívida privada e pública e uma proporção elevada de crédito mal parado constituem vulnerabilidades, num contexto de desemprego a descer, mas ainda elevado, e baixa produtividade", lê-se no documento.

Bruxelas está preocupada com a situação da banca e aponta para os problemas do crédito malparado – que considera não ter ainda estabilizado –, da baixa rentabilidade e das reservas de capital relativamente frágeis. Problemas que "colocam riscos ao balanço dos bancos", frisa.

No mercado de trabalho, os técnicos da Comissão consideram que houve melhorias mas alertam que o desemprego jovem e o de longo prazo continuam a ser elevados. Outros problemas dizem respeito à rigidez e segmentação do mercado de trabalho e à baixa produtividade combinada com o aumento dos salários.

Tudo somado, "o crescimento potencial ainda está abaixo do nível pré-crise, penalizado por estrangulamentos persistentes e rigidez nos mercados de produtos e do trabalho a par de grandes desequilíbrios externos", frisa Bruxelas.

São alertas que o Governo de António Costa terá agora de ter em conta e aos quais deverá dar resposta no Programa Nacional de Reformas e no Programa de Estabilidade e Crescimento. Até porque o relatório destaca que a prioridade às reformas tem diminuido desde 2014.

Mas nem tudo são críticas. O relatório destaca o exemplo português na área da educação e formação: "Portugal empreendeu iniciativas de sucesso nos últimos anos para fazer face a desigualdades na educação, reduzir o insucesso escolar e aumentar o nível de competências básicas da população".

A Comissão Europeia volta a avaliar os desequilíbrios macroeconómicos em maio e até lá tem previstas visitas a Portugal para falar com o Governo, o Parlamento e os parceiros sociais.

Os relatórios divulgados esta manhã fazem uma análise aprofundada dos vários países, olhando para a situação económica, para as reformas feitas e para as políticas de cada Estado. Há atualmente quatro categorias de desequilíbrios macroeconómicos, sendo que Portugal continua na terceira categoria, a segunda mais grave, juntamente com França, a Croácia, Itália, Bulgária e Chipre.

O Procedimento por Desequilíbrios Macroeconómicos Excessivos (que olha para as questões económicas) é um procedimento paralelo ao do Défice Excessivo - PDE - (questões orçamentais). Atualmente, Portugal está apenas no braço correctivo do PDE mas deverá sair ainda este ano.