Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Lucro da Jerónimo Martins cresce 78% em 2016 para 593 milhões de euros

nuno botelho

Para o presidente e administrador delegado do grupo, Pedro Soares dos Santos, “2016 foi um ano de concretização dos ambiciosos objetivos” que estavam propostos. “Após um ano de forte desempenho, entrámos em 2017 determinados a continuar a crescer de forma rentável e sustentável, garantindo a eficiência dos nossos modelos e o nosso foco na capacidade de geração de caixa”

O lucro da Jerónimo Martins subiu 78% no ano passado, face a 2015, para 593 milhões de euros, anunciou a dona da cadeia de supermercados Pingo Doce esta quarta-feira.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Jerónimo Martins adianta que "numa base comparável, excluindo o impacto da Monterroio", os resultados líquidos atribuíveis ao grupo "cifraram-se em 361 milhões, um crescimento de 14,5% face ao ano anterior.

Em igual período, as vendas aumentaram 6,5%, para 14.622 milhões de euros, enquanto o resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) aumentou 7,8% para 862 milhões de euros.

"As principais insígnias do grupo - Biedronka, Pingo Doce e Recheio - iniciaram o ano de 2016 com enfoque reforçado na competitividade e no crescimento do LFL ['like-for-like', ou seja, vendas em lojas que operaram sob as mesmas condições no período em análise]", refere a empresa liderada por Pedro Soares dos Santos. "Esta determinação conduziu a um forte desempenho ao longo de todo o ano, com crescimento das vendas LFL e das vendas totais", adianta.

A Jerónimo Martins adianta que a polaca Biedronka, "com uma oferta reforçada e com uma abordagem mais assertiva e inovadora às campanhas comerciais, beneficiou desta envolvente favorável e registou um crescimento de 9,5% das suas vendas LFL, com as vendas totais a aumentarem 6,3% no ano (+10,8% em moeda local) para 9.781 milhões de euros. A cadeia polaca terminou 2016 com 2.722 lojas, mais 55 do que em 2015.

Por sua vez a Hebe, empresa polaca, registou uma "boa evolução das vendas para os 122 milhões de euros, um acréscimo de 22,2% (+27,5% a taxa de câmbio constante) acima de 2015". Esta cadeia totalizou 153 lojas, mais 19 que no ano anterior.

Já o Pingo Doce registou um crescimento LFL (excluindo combustível) de 1,2% no ano passado, e as vendas totais ascenderam a 3.558 milhões de euros, um aumento de 4,4% face a 2015. A cadeia de supermercados portuguesa gerou um EBITDA de 192 milhões de euros, mais 2% do que no ano anterior.

As vendas do Recheio subiram 5,9% para 878 milhões de euros, "beneficiando de uma sólida posição competitiva num contexto de melhoria de atividade no segmento HoReCa [hotéis, restaurantes e cafés]" e o crescimento LFL foi de 5%. O EBITDA ascendeu a 47 milhões de euros, um aumento de 7,4%.

A colombiana Ara "encerrou o ano com 221 lojas em três regiões da Colômbia", refere a Jerónimo Martins, adiantando que "o desempenho de vendas traduz o interesse e recetividade à proposta de valor por parte dos consumidores colombianos em todas as regiões". A Ara "atingiu vendas de 236 milhões de euros em 2016, tendo mais do que duplicado as vendas em moeda local em relação ao ano de 2015", adiantou.

A Jerónimo Martins adianta que a Ara e a Hebe tiveram perdas de 62 milhões de euros em termos de EBITDA, tendo a marca colombiana sido responsável por 76% do total (cerca de 47 milhões). "O crescimento das perdas geradas na Ara foi, essencialmente, consequência da decisão tomada pela companhia de fortalecer a sua estrutura organizacional para preparar a aceleração do crescimento", enquanto a Hebe, "em linha com as expetativas, tem vindo a reduzir o nível de perdas gerado".

No ano passado, os encargos financeiros foram de 17 milhões de euros, nove milhões abaixo de 2015 "devido à redução do nível médio da dívida ao longo do ano, bem como à diminuição do custo médio da dívida".

O grupo refere que os itens não recorrentes, além da mais-valia de 221 milhões de euros relativa à venda da Monterroio, incorporam custos de reestruturação em Portugal e na Polónia, provisões relativas e ativos em Portugal e a extensão à Polónia do plano de prémios de antiguidade do grupo".

Jerónimo Martins vai investir cerca de 700 milhões de euros este ano

"Com vista a capturar as oportunidades de crescimento que identificamos nos mercados onde operamos, o programa para 2017 cifra-se em cerca de 700 milhões de euros", refere a empresa sobre as perspetivas para este ano, num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

"A rede logística do grupo absorverá uma parte significativa das despesas de capital, com a construção de um centro de distribuição da Polónia, outro em Portugal e três na Colômbia", adianta.

"Estamos preparados para mais um ano exigente e confiantes de que saberemos transformar 2017 em mais um ano de crescimento, mantendo o foco onde ele tem de estar: no melhor serviço possível ao consumidor", acrescenta a Jerónimo Martins.

O grupo prevê na Polónia "uma adição líquida de mais de 100 lojas no ano" da Biedronka, enquanto "a Hebe prossegue na consolidação de uma proposta de valor diferenciadora".

No mercado português, "o Pingo Doce continuará a melhorar a qualidade da operação de loja, enquanto o Recheio dará prioridade à otimização da sua oferta numa lógica multicanal".

No mercado colombiano, a Ara irá continuar a reforçar as suas equipas e a sua infraestrutura logística para acelerar o ritmo de expansão. "Espera-se, em 2017, a abertura de pelo menos 150 lojas", adianta o grupo, avançando que "o conjunto das perdas da Ara e da Hebe deverão aumentar em relação ao ano anterior, refletindo os planos de expansão da Ara".