Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Bolsas: Ações mundiais imparáveis

As ações mundiais atingiram esta quarta-feira novos máximos históricos. Os ganhos em 2017 já ultrapassam os registados em todo o ano de 2016. Em Lisboa, o PSI-20 está perto de entrar em terreno positivo no ano.

As ações mundiais atingiram esta quarta-feira novos máximos de sempre, com os ganhos desde o ínicio do ano a ultrapassar os alcançados em 2016, enquanto em Lisboa o índice PSI-20 está perto de entrar em terreno positivo.

Os juros das obrigações soberanas europeias seguem em queda, o que indica que, apesar dos máximos nos mercados acionistas, os investidores estão cautelosos, num dia em que se aguarda por sinais sobre as próximas subidas de juros nos Estados Unidos.

Nos Estados Unidos, os principais índices acionistas fecharam a tocar em máximos. Os resultados de empresas que têm sido divulgados têm sido robustos, tanto na Europa como nos EUA e são acompanhados de indicadores macroeconómicos positivos.

Os mercados acionistas têm ainda beneficiado das promessas eleitorais de Donald Trump e de expectativas em relação às políticas do novo presidente dos EUA, nomeadamente relativas a novos investimentos em infrastruturas, descidas de impostos e diminuição de regulação no setor financeiro.

Os investidores aguardam com expetativa pelas minutas da última reunião da Reserva Federal norte-americana, que podem trazer pistas sobre quando podem ser realizadas as próximas subidas de taxas de juro nos EUA.

O índice MSCI para as ações a nível mundial, que agrega títulos de 46 países, atingiu o segundo máximo histórico consecutivo. regista uma subida de 5.7% em 2017, acima da valorização de 5,6% de 2016.

Em Wall Street, o índice S&P 500 soma 4,8% desde o início do ano e na Europa o índice Stoxx 600 avança 2,8% no mesmo período.

Em Lisboa, o índice PSI-20 regista uma queda de 0,7% desde o início de 2017 depois do tombo de quase 12% no ano de 2016.

O PSI-20 segue esta quarta-feira a subir 0,33% para 4.700,97 pontos (11H30). O Stoxx Europe 600 avança 0,02% depois de ter atingido o máximo dos últimos 14 meses esta sessão, suportado em resultados favoráveis de empresas, incluindo do Lloyds.

"As principais praças europeias voltaram a registar novos máximos continuando a forte tendência altista das últimas semanas", refere Henrique Dias, gestor da corretora XTB. "Os índices estão a progredir sem haver qualquer correção técnica", destaca.

"O PSI-20 continua a ser o índice que mais valoriza nos últimos dias com os dados do crescimento económico acima da média da Europa a terem um impacto bastante positivo nas cotadas portuguesas", adianta.

A moeda norte-americana segue a valorizar, nomeadamente face ao euro que segue a cotar nos 1,05 dólares. A moeda única europeia tem sido penalizada por incerteza política, incluindo receios de uma subida de sentimento anti-euro.