Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Grupo Hoti abre o segundo hotel no aeroporto de Lisboa

Miguel Proença, administrador do grupo Hoti, no novo Star Inn da Portela, localizado em frente ao Tryp Aeroporto, que já é o hotel mais rentável do grupo

Tiago Miranda

Para um segmento mais económico, o novo Star Inn vem reforçar a operação do grupo na Portela, onde o hotel Tryp chega a ter ocupações de mais de 100%

Vai abrir na próxima semana o hotel Star Inn no aeroporto de Lisboa, que representa a segunda unidade do grupo Hoti no perímetro da Portela. Envolvendo investimentos de €8 milhões na reconversão de um edifício da ANA sem utilização, o novo Star Inn, com 173 quartos e categoria de três estrelas, pretende ser uma alternativa mais económica ao Tryp Aeroporto, com o qual irá manter sinergias na operação.

“Estamos a criar um cluster no aeroporto com este conjunto de hotéis em que os clientes do Star Inn têm acesso aos serviços do Tryp, nomeadamente ao nível de sala de conferências, spa ou restaurante”, salienta Miguel Proença, administrador do grupo Hoti. Com a inauguração oficial agendada para 15 de março, o Star Inn vai abrir com diárias promocionais de €79, mas “a diferença de preços entre os dois hotéis não irá ultrapassar 15% a 20%”.

O grupo tem previsões de atingir uma rentabilidade elevada com o reforço de camas no aeroporto, tendo em conta as ocupações acima de 90% do hotel Tryp, onde as diárias em picos de procura podem passar os €200. Com pequenos-almoços às quatro da manhã e os horários dos voos sempre disponíveis, o hotel chega a ter ocupações superiores a 100% graças à tarifa day use, que permite aos clientes descansar algumas horas entre as ligações aéreas.

Montijo entra na rota

Analisar a possibilidade de fazer mais hotéis em aeroportos nacionais é um dossiê que tem estado na mira do grupo Hoti. No caso do Porto, a Hoti chegou à conclusão que “o Park Hotel que já temos na Exponor serve bem o aeroporto Francisco Sá Carneiro pois foi feito no seu perímetro”, e em Faro (onde o grupo chegou a participar no concurso lançado há anos pela ANA para um hotel na zona aeroportuária) constatou que “as pessoas querem é ficar o mais tempo possível próximo da praia, não tendo interesse para nós ter um hotel no aeroporto”.

A recente decisão do Governo em alocar no Montijo a extensão do aeroporto de Lisboa veio pôr esta cidade da margem sul no radar dos interesses hoteleiros. Mas também aqui o grupo Hoti afirma “não estar de momento a analisar possibilidades”, uma vez que a marca Tryp já tem um hotel no Montijo, pelo que não faz muito sentido fazer mais um Tryp junto ao aeroporto.

Segundo Miguel Proença, “a questão só se põe mesmo em Lisboa, sobretudo pela proximidade do aeroporto à cidade”. O administrador da Hoti frisa que “o Tryp Aeroporto foi preparado com um conjunto de serviços que não são standards normais em hotéis de aeroporto, como piscina interior e exterior, spa ou centro de conferências, pois mais que um hotel no aeroporto, temos um hotel que entra em Lisboa”. Lembra ainda que “o aeroporto de Lisboa é um hub, e no Porto a situação não é a mesma, pelo que é mais relevante ter unidades no centro da cidade”.

Grupo chega ao Algarve

O Star Inn do aeroporto de Lisboa é o 15º hotel do portefólio do grupo Hoti, que está a avançar com novos investimentos. Em Lisboa, o grupo vai este ano iniciar a construção de um hotel de quatro estrelas com 106 quartos no Largo do Rato, num espaço junto à sinagoga, e que terá a marca Innside, do grupo Meliá. A previsão é que o novo hotel em Lisboa possa abrir em 2019.

A Hoti vai avançar também este ano com a construção do hotel Meliá Algarve com 170 quartos em Monte Gordo, para iniciar a operação em 2018 ou 2019. “Há muito que a Meliá queria ter hotel-resort no Algarve”, refere Miguel Proença, adiantando que o novo hotel resulta do concurso lançado pela câmara de Vila Real de Santo António e localiza-se “na primeira linha de praia, numa área que vai ser sujeita a intervenção por parte da câmara”.

Atualmente na fase final na remodelação, orçada em €5 milhões, o hotel da Costa da Caparica do grupo Hoti reabre a 15 de março rebatizado Tryp Lisboa Caparica Mar. Além do hotel de quatro estrelas que está a finalizar em Maputo (Moçambique) e que deverá abrir ainda em 2017, o grupo tem “outras negociações em curso”, designadamente para um hotel Tryp no Porto, e também para mais uma unidade em Aveiro, “que em princípio terá a marca Star Inn”. Segundo o administrador da Hoti, “temos estado a acompanhar o programa Revive (para concessões turísticas em património público sem utilização), e temos interesse em alguns imóveis em Lisboa e em Coimbra”.

O grupo Hoti fechou 2016 com um aumento de receitas de 25%, para €47 milhões, e os resultados operacionais deram um salto de 40%. “Esperamos um aumento de vendas de 19% em 2017, sobretudo pelos crescimentos fortes em Lisboa e no Porto”, adianta Miguel Proença.