Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

OPEP cumpre redução da produção de petróleo e equilibra oferta

A diminuição da oferta provocada por estas decisões foi acompanhada de um aumento da procura, segundo a Agência Internacional da Energia

A OPEP cumpriu o compromisso assumido de reduzir a produção de petróleo, tendo equilibrado a oferta, enquanto as estimativas da procura foram revistas em alta pelo terceiro mês consecutivo, indicou hoje a Agência Internacional de Energia (AIE).

No relatório mensal, hoje divulgado, a AIE sublinha que em janeiro a produção dos países da OPEP (Organização de países Exportadores de Petróleo) desceu para 32,06 milhões de barris por dia, menos um milhão de barris por dia.

Esta redução da produção significa que foi cumprida 90% da redução da produção, a que se tinham comprometido em novembro os membros da OPEP, que agrupa os principais produtores de petróleo.

Em novembro, o cartel liderado pela Arábia Saudita comprometeu-se a cortar a partir de 1 de janeiro a oferta em 1,2 milhões de barris por dia durante um período de seis meses renováveis, com o objetivo de equilibrar os preços, que tinham descido devido ao excesso de oferta desde meados de 2014.

Segundo a AIE, alguns países, como a própria Arábia Saudita, foram além dos cortes a que se tinham comprometido.

"Este primeiro corte é um dos mais importantes efetuados na história da OPEP", sublinhou a agência da OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico).

A decisão do cartel foi seguida de uma outra de produtores não pertencentes à OPEP, liderados pela Rússia, que acordaram reduzir as extrações em 558.000 barris por dia.

A diminuição da oferta provocada por estas decisões foi acompanhada de um aumento da procura, segundo a AIE, que reviu em alta as estimativas para a mesma.

Assim, no relatório de janeiro, a AIE reviu o consumo em 2016 para 96,6 milhões de barris diários, mais 100.000 do que o previsto no relatório precedente.

Já para este ano, as estimativas da AIE apontam para um consumo de 98 milhões de barris por dia, mais 1,4 milhões de barris diários do que em 2016 e mais 100.000 barris diários do que o previsto até agora.