Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Têxteis exportam €5,063 mil milhões e antecipam em 4 anos previsões de “cenário de ouro”

Lucília Monteiro

Fileira da moda em alta, com calçado a aproximar-se dos dois mil milhões de euros

No plano estratégico da fileira têxtil, havia um "cenário de ouro", desenhado para um ambiente favorável em que tudo teria de correr bem à indústria lusa. Nesse quadro otimista, as exportações do sector deveriam passar a barreira dos cinco mil milhões de euros em 2020, recuperando o valor do início da década. Mas o desempenho recente dos têxteis portugueses acabou por permitir antecipar essa "meta de sonho" em quatro anos e chegar ao 5, 063 mil milhões de euros em 2016.

É esse o número que a ATP- Associação Têctil e Vestuário de Portugal divulga hoje, com base nos dados do INE, salientando que "foram ultrapassadas as expetativas da associação", que olhando para os númeross dos últimos 11 meses apontavam para os 5,055 mil milhões.

"O mês de dezembro foi muito positivo, tendo registado uma evolução mensal homóloga de 7,3%", diz a ATP, dando nota positiva "ao dinamismo que a indústria tem revelado nos últimos anos".

Por subsectores, o destaque vai para o vestuário de malhas e acessórios, que registou um crescimento de 12%, com todo o segmento de vestuário a crescer 8%, para os 2,87 mil milhões de euros.

A Balança Comercial do sector fechou o ano com um saldo poisitivo de 1,151 mil milhões de euros e uma taxa de cobertura de 129%.

No caso da indústria de calçado, confirmou-se a previsão e o sector bateu o seu sétimo recorde consecutivo nas exportações, com um crescimento de 3,2%, correspondente a vendas de 1,923 mil milhões de euros e 81 milhões de pares.

Desde 2009, as exportações já aumentaram mais de 55%, com crescimentos nos 20 principais mercados, à exceção do Reino Unido.

É um resultado que beneficia das encomendas de mercados tradicionais, mas em que as taxas de crescinmento mais elevadas são de outros destinos como a China (3108%), Emirados Árabes Unidos (608%), Estados Unidos (461%), Austrália (363%) e Polónia (295%).