Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

BPI perde quase 20% em bolsa

É o último dia do banco no PSI-20 e os títulos estão num novo mínimo histórico

A meio da sessão de negociação, naquele que é o seu último dia no PSI-20, as ações do BPI estão a negociar em mínimos históricos. às 11h20, estavam a recuar 19,14%, valendo 84,9 cêntimos. Nesta sessão, foram também estreadas as novas ações do BCP, resultantes da operação de aumento de capital de 1,33 mil milhões de euros, que estão também a perder terreno, mas para valores menos acentuados: caíam, à mesma hora, 4,04% (para 14 cêntimos). O PSI-20 está a cair 0,40%.

A exclusão do BPI do principal índice de referência acontece no dia seguinte à conferência de imprensa que apresentou os resultados da operação de aquisição pública (OPA) do catalão CaixaBank à instituição até agora liderada por Fernando Ulrich. O banco espanhol passou a controlar 84,5% do capital do BPI, com a Allianz como segunda maior acionista (com pouco mais de 8%). Assim, apenas 7% do capital do BPI está agora disperso em bolsa.

"A Euronext comunica que, na sequência dos resultados alcançados na Oferta Pública de Aquisição do CaixaBank sobre o BPI, e face à informação disponível à data, foi decidida a exclusão das ações do Banco BPI do índice PSI 20", anunciou a comissão gestora do PSI-20. Com a grande maioria do capital social do BPI controlado pelo grupo espanhol, os acionistas que não venderam as suas ações na OPA, nomeadamente os pequenos investidores, arriscam-se agora a assistir à desvalorização dos seus títulos em bolsa, visto que a dispersão do banco é agora muito reduzida e as ações ficam pouca liquidiz, o que leva à diminuição do seu valor.

Também ontem foi conhecida a saída de Fernando Ulrich da presidência executiva do BPI para o cargo de presidente do conselho de administração ("chairman"). Será o espanhol Pablo Forero a assumir a gestão executiva do banco. Na conferência de imprensa, os líderes do CaixaBank afirmaram que pretendem manter o BPI cotado em bolsa, mas a situação será acompanhada e avaliada. "Temos de ver a médio e longo prazo se a liquidez não for suficiente e se trouxer problemas. Teremos de estudar", afirmou Gonzalo Gortázar, presidente do CaixaBank.

O PSI-20 manter-se-á com apenas 17 cotadas até à nova revisão do índice, que acontece apenas a 20 de março.