Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Ulrich: “Quero continuar a trabalhar muito, mas com menos stress”

Luis Barra

“Não vou ter saudades do BPI porque eu continuarei completamente comprometido com o BPI”, assegurou Fernando Ulrich, que deixa o cargo de presidente executivo e assume a presidência do Conselho de Administração. O empenho será o mesmo e a pressão será menor, disse

Lusa

Lusa

Texto

Luís Barra

Luís Barra

Fotos

Fotojornalista

O presidente executivo do Banco BPI, Fernando Ulrich, que vai deixar o cargo para passar a presidente do Conselho de Administração ('chairman'), garante que vai manter o mesmo empenho nas novas tarefas, mas sem tanta pressão como tem tido.

"Eu não vou ter saudades do BPI porque eu continuarei completamente comprometido com o BPI. Espero talvez com um pouco menos de 'stress', até porque vou fazer 65 anos no dia da assembleia-geral (AG)", que servirá, entre outras matérias, para passar a pasta executiva ao espanhol Pablo Forero, afirmou Ulrich.

"Saudades não vou ter nenhumas porque continuo cá. Já trabalho há 45 anos e já não tenho a energia que já tive", reforçou, para justificar o pedido que apresentou para deixar a comissão executiva do Banco BPI, na sequência da Oferta Pública de Aquisição (OPA) lançada pelo CaixaBank.

"A minha idade e longevidade da minha carreira, parece-me que a solução que foi encontrada - e sobre a qual falei durante muito tempo com o Gonzalo [Gortázar, líder do CaixaBank] - aquilo que foi hoje anunciado é perfeitamente consensual", acrescentou Ulrich, vincando que acredita que esta "é a melhor solução para o banco e para os clientes do banco".

Durante o período de transição (que deve durar até à AG de 26 de abril) a atual comissão executiva vai assegurar a gestão do banco, avançou o responsável.

"Nesse dia, faremos a apresentação de resultados do primeiro trimestre, e combinei com o futuro CEO [Pablo Forero] que ainda serei eu a fazer, porque ainda estaremos a trabalhar durante o primeiro trimestre", avançou.