Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Fernando Ulrich deixa de ser presidente executivo do BPI

Luis Barra

Ulrich ocupará o lugar de Artur Santos Silva, que deixará de ser presidente do conselho de administração e passará a presidente honorário do BPI. Como presidente executivo fica o espanhol Pablo Forero

Isabel Vicente

Isabel Vicente

Texto

Jornalista

Pedro Lima

Pedro Lima

Texto

Editor

Luís Barra

Luís Barra

Fotos

Fotojornalista

Vai haver mudanças significativas no novo BPI, agora controlado em 84,5% pelo espanhol CaixaBank.

Passará a haver um novo presidente executivo, Pablo Forero, que substitui Fernando Ulrich. Este passará a presidente do conselho de administração, cargo até agora ocupado por Artur Santos Silva, que será agora nomeado presidente honorário do BPI e presidente de uma nova comissão do conselho de administração dedicada à responsabilidade social.

Estas mudanças vão ser propostas na assembleia geral do BPI prevista para 26 de abril pelo CaixaBank que, ficou a saber-se esta quarta-feira, passou a ter 84,5% do BPI na sequência da oferta pública de aquisição (OPA) lançada em abril do ano passado.

O anúncio de Ulrich e Santos Silva de que não pretendiam manter-se nos cargos que ocupavam é acompanhado também pelos administradores executivos Maria Celeste Hagatong e Manuel Ferreira da Silva. As alterações nos órgãos sociais do BPI estão ainda sujeitas à luz verde do Banco Central Europeu.

Em comunicado enviado ao mercado, o BPI refere que José Pena do Amaral, Pedro Barreto e João Oliveira Costa vão manter-se na comissão executiva no próximo mandato, a que vai presidir Pablo Forero, que integra a equipa do CaixaBank desde 2009. Vão também ser administradores executivos Alexandre Lucena e Vale, António Farinha de Morais, Francisco Manuel Barbeira, Ignacio Alvarez Rendueles e Juan Ramon Fuertes.

Além destes nomes, estarão no conselho de administração, como não executivos, António Lobo Xavier (como vice-presidente), Carla Bambulo, Gonzalo Gortázar, Javier Pano, Juan Antonio Alcaraz, Lluis Vendrell, Tomás Jervell e Vicente Tardio.

No mesmo comunicado enviado ao mercado, o conselho de administração exprimiu votos de agradecimento a todos os que renunciaram aos mandatos como administradores não executivos, entre os quais Armando Leite de Pinho, Carlos Moreira da Silva e Mário Leite da Silva em representação da Santoro de Isabel dos Santos que vendeu a sua posição no banco. E também aos que manifestaram vontade de não renovar o mandato como executivos, considerando "o inestimável contributo de Maria Celeste Hagatong e Manuel Ferreira da Silva, que estiveram na comissão executiva durante 18 e 16 anos, respetivamente".

Em relação a Artur Santos Silva, fundador em 1981 da Sociedade Portuguesa de Investimentos (SPI) e em 1985 do BPI, primeiro banco privado após as nacionalizações de 1975, o conselho de administração manifestou "reconhecimento e gratidão pela visão, capacidade de iniciativa e determinação", com que fundou o grupo, valorizando-o e transformando o BPI num banco de referência.

Quanto a Fernando Ulrich o conselho de administração agradeceu a "contribuição fundamental que deu ao longo de 34 anos para a afirmação, prestígio e resultados do banco". E, sublinhou a sua prestação como presidente executivo do BPI nos últimos 13 anos e presidente do conselho de administração do Banco de Fomento Angola, em particular pelo seu desempenho e o da sua equipa "no período mais difícil da crise financeira que se iniciou em 2008".